Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Os 200 mil da Avenida e o lápis do cosmonauta

Yuri Gagarin, o cosmonauta soviético que a 12 de Abril de 1961 se tornou o primeiro homem no espaço

Devido à ausência de gravidade, as esferográficas normais não funcionam no espaço.

Este foi mais um dos milhões de problemas que os cientistas norte-americanos e soviéticos tiveram de resolver nos anos 60, quando a conquista do espaço era um dos tabuleiros em que se disputava a Guerra Fria.

Os americanos desenvolveram uma caneta que escreve em ambiente de gravidade zero. Os soviéticos optaram por uma solução mais simples: equiparam os cosmonautas com lápis.

A opção americana deve ter contribuído mais para o avanço do conhecimento, não seduz-me mais a simplicidade como os soviéticos contornaram o obstáculo.

Há sempre dois tipos de soluções um mesmo problema, as simples e as complicadas. A mim encantam-me as simples.

Foi por isso que gostei de ouvir a explicação simples que Carvalho da Silva deu, na 5ª feira, à Judite de Sousa, para 200 mil pessoas terem preferido descer a avenida da Liberdade a anteciparem o fim-de-semana.

Os 200 mil (e mais uma data de gente) não acham graça a que Armando Vara, destacado em missão de salvamento, vá para o BCP ganhar o dobro do que recebia na Caixa.

Os 200 mil não acham justo que o salário mensal médio na EDP seja de 1669 euros e que o presidente  ganhe 1666 euros por dia só em prémio de gestão.

Não me move contra Armando Vara e António Mexia, que tudo leva a crer serem sérios e competentes. Vara não ficou bem na fotografia na trapalhada da Fundação para a Prevenção e Segurança, no Governo Guterres. Mexia não tinha razão quando quis vender as posições que a Galp tinha na exploração petrolífera. Mas, caramba, quem nunca errou que atire a primeira pedra!

Mas Vara e Mexia (e tantos outros gestores) deveriam ter tido o cuidado de não se pôr a jeito dos discursos mobilizadores do líder da CGTP.

Não é bom para ninguém (tirando para o próprio Richard Fuld) que o CEO da Lehman tenha recebido 100 milhões de euros de prémio poucos meses antes do banco ir ao tapete, accionando o gatilho que fez disparar a crise.

Não é bom para ninguém (excluindo os beneficiários) que a AIG se preparasse para distribuir 168 milhões de dólares de bónus aos executivos, depois da Reserva Federal ter gasto 170 mil milhões de dólares a salvá-la.

Da mesma maneira que não é bom para a Igreja Católica (em particular para a credibilidade do voto de pobreza dos franciscanos) saber-se que o padre Melícias tem uma pensão mensal de reforma de 7450 euros, também não é bom para a paz social no país que os gestores do PSI 20 ganhem, em média, 23 vezes mais do que os trabalhadores.

De acordo com um estudo da OIT, Portugal é dos países desenvolvidos onde nas últimas décadas mais cresceu o fosso entre os trabalhadores mais bem remunerados e os que recebem salários mais baixos.

Para evitar o alastrar da contestação, uma solução simples (tipo lápis para os cosmonautas) seria o Governo socialista impor um tecto salarial (um múltiplo razoável do salário mínimo ou o salário do PR) a todas as empresas que sejam apoiadas com o dinheiro dos contribuintes.

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

10 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D