Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

A mais bela artéria da zona moderna e luxuosa

O rasgar da avenida demorou o seu tempo. Iniciado no virar do século, só foi concluído em 1917, o ano da revolução bolchevique, com a conclusão do troço final, entre a Fonte da Moura e o Castelo do Queijo, que nos anos 50 viria a ser a principal recta do Grande Prémio de Fórmula I do Porto, estrelado pelo famoso Stirling Moss.

 

Demorou, mas valeu a pena. Sant’Anna Dionísio considerou-a logo como «a mais bela artéria da zona mais moderna e luxuosa» do Porto e e não poupou nas palavras quando a qualificou como «um dos mais acertados e desenvolvidos golpes de expansão que a cidade recebeu nos últimos 50 anos».

 

A avenida teria de esperar mais de meio século para acolher dois novos e importantes ícones que romperam com a tímida escala que caracteriza a cidade.

 

A Casa da Música e o Parque da Cidade foram arrojados empreendimentos apadrinhados por Fernando Gomes, que sonhou reeditar, um século depois, o período mais próspero e expansionista do Porto.

 

O Parque da Cidade concretizou, em 1991, o velho projecto do pai da avenida, Gustavo Sousa, de equipar o Porto com um vasto pulmão verde, e viria a receber, dez anos depois, um ousado remate marítimo pensado por Solá Morales. Como o parque não chegava à praia, o arquitecto catalão resolveu fazer desaterros, abrindo o caminho para o mar subir até ao parque. Funcionou!

 

A Casa da Música, saída do estirador do holandês Rem Koolhas, é um espantoso e estranho edifício com uma altura equivalente a 12 andares , implantado no quarteirão outrora ocupado pela «remise» (a recolha dos eléctricos) e pelos escritórios da Carris (actual STCP), que, além de escriturários, albergavam barbeiros e alfaiates que cuidavam das fardas e aspecto dos funcionários da companhia.

 

(continua)

 

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D