Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Os gatos mordem a malagueta

No intervalo de uma reunião do Politburo, Mao perguntou a Chu Enlai e a Deng Xiaoping: “Sabem como se faz para um gato morder uma malagueta?”

Chu respondeu: “Segura-se nele, abre-se-lhe a boca e mete-se a malagueta lá dentro”.

Mao disse que não: “Isso é obrigá-lo e nós queremos é que o gato morda na malagueta de livre vontade”.

Foi a vez de Deng: “Pega-se na malagueta, envolve-se num deliciosa posta de peixe e, antes mesmo de o saber, o gato já mordeu a malagueta”.

Mao voltou a dizer que não: “Isso seria uma intrujice, pois nós queremos que o gato saiba que está a morder a malagueta”.

Chu e Deng desistiram: “Como é que fazes então para que o gato morda a malagueta?”

“É fácil”, respondeu Mao. Mete-se a malagueta no rabo do gato. Ele não vai querer outra coisa senão mordê-la”.

Vem esta anedota chinesa a propósito da solução ardilosa que o presidente da Associação Nacional de Farmácias (ANF) arranjou para obrigar os outros protagonistas do sector da saúde a clarificarem a sua posição sobre os genéricos.

Durante uma semana, a maioria das farmácias filiadas na ANF forneceu o medicamento mais barato (genérico) em vez do de marca, mesmo que essa troca não fosse expressamente autorizada pelo médico que passou a receita. No final, João Cordeiro revelou que esta troca gerou, em meia dúzia de dias, uma poupança superior a 200 mil euros (112 mil aos utentes e 93 mil ao Estado).

Ana Jorge mordeu a malagueta. A ministra de um Governo que fez campanha pelo uso de genéricos meteu os pés pelas mãos. Acusou a troca de “ilegal” – mas não precisou à luz de que lei. Falou em “perigo para a saúde pública” o que soa como a delírio depois do Infarmed ter vindo garantir que os genéricos “têm a mesma substância activa, forma farmacêutica e dosagem do remédio original, de marca, que lhe serviu de referência” – só que são mais baratos entre 20% a 35%.

O bastonário dos Médicos também mordeu malagueta ao defender a prescrição do medicamento mais barato, “em igualdade de circunstâncias” (que o Infarmed jura existir).

Já só falta morderem a malagueta os destinatários da acusação que Cordeiro fez ao dizer que a polémica dos genéricos seria muito mais fácil de perceber se as principais agências de viagens do país publicassem a lista dos seus maiores clientes.

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

10 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D