Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Um clube quase perfeito

O Benfica é um clube quase perfeito. Tudo corre às mil maravilhas até que, após o arrepiante voo da águia Vitória ao som do hino de Luís Piçarra, o árbitro apita para iniciar o jogo. Se não fossem esses malditos 90 minutos, o Benfica seria um clube perfeito.

Nunca me há-de deixar de surpreender a imensa generosidade dos adeptos que, entusiasmados, lotaram a Luz na última jornada da Liga 2007-08, agarrando-se ao pretexto da despedida de Rui Costa para fazerem uma grande festa – apesar de terem ficado em 4º lugar a 20 pontos do FC Porto.

Não posso deixar de admirar a fé e o espírito “para o ano é que vai ser” com que metade dos meus compatriotas vibra com a precoce pré-época 2009/10, iniciada em Abril nas capas da Bola e do Record, onde desfilam nomes e fotos de eventuais reforços – apesar do Porto ir conquistar o quarto título consecutivo e o Benfica ir voltar a ficar de fora da Champions.

O Benfica ganha poucos títulos no relvado mas é o campeão nacional das receitas neste negócio do futebol onde a emoção goleia sempre a razão.

A TMN fez um acordo com Porto (Plano Dragão) e Benfica (Benfica Telecom) oferecendo condições vantajosas aos sócios destes dois clubes.

A Benfica Telecom vende dez vezes mais minutos que o Plano Dragão, apesar de a desproporção entre os adeptos dos dois clubes estar muito longe de ser de um para dez.

A Repsol fez um acordo simétrico com Porto e Benfica, oferecendo um desconto aos sócios dos dois clubes. Em 2008,  vendeu 18 milhões de litros a benfiquistas e quatro milhões de litros a portistas.

Desde que os italianos da Parmalat se deram mal a Norte por patrocinarem as camisolas do Benfica, todas as marcas que se associaram ostensivamente ao futebol (BES e PT) optaram, prudentemente, por investir nos três grandes.

O abandono do BES, fez com que o campo de batalha entre as cervejeiras se estendesse das Queimas das Fitas, restaurantes e prateleiras de supermercados até às camisolas de Porto, Benfica e Sporting.

A Central de Cervejas arriscou associar a Sagres ao Benfica, convencida que obterá um efeito idêntico à Siemens Mobile, que desde que está nas camisolas do Real Madrid quadruplicou as vendas em Castela, sem sofrer estragos de maior na Catalunha. A Unicer contra-atacou ficando com Porto e Sporting.

Esta movimentação faz com que o principal motivo de suspense para a próxima época seja o de apurar se os benfiquistas vão deixar de beber Super Bock, já que tudo indica que os dragões façam o seu segundo penta – e que o grande momento de emoção nos jogos na Luz continue a ser quando o Mantorras se levanta do banco, despe o fato de treino e começa a aquecer.

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

24 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D