Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Falta de mimo e de atenção

Passei a semana a arrumar em 283 caixas de cartão os últimos 20 anos de vida. Mudei de casa na 5ª feira, o que faz de mim um activo militante da retoma.

À minha escala, trata-se um contributo para a criação de emprego e riqueza superior à dos grandes investimentos públicos (TGV e aeroporto de Lisboa) e mais virtuoso, pois não agravará a dramática situação dos défices externo e orçamental (não é por minha causa que o IVA está em queda livre).

O dinheiro é o sangue da economia e eu não tenho feito outra coisa senão activar a sua circulação.

Comprei um andar dos anos 60 a um agricultor de Resende, que vai reinvestir o encaixe num empreendimento imobiliário, ou seja o dinheiro pago vai continuar a circular.

A Luísa, a menina que intermediou o negócio, anda a fazer o 12º ano nas Novas Oportunidades, o quer dizer que a comissão ficou em boas mãos e eleva ainda mais o carácter generoso do gesto patriótico de comprar um apartamento num momento em que toda a gente está tentar adivinhar quando é que isto bate no fundo para voltar a arejar as suas notas.

Nas obras na casa nova estiveram envolvidos trolhas, picheleiros, carpinteiros, pintores e electricistas, o que mitigou o desemprego que flagela a construção civil. Animei ainda sectores tradicionais da nossa indústria portuguesa, como a de cerâmica, aglomerados de madeira e papeleira.

Provavelmente nem toda a riqueza gerada se vai reflectir no PIB de 2009 (não juro que a generosa rapaziada que fez a mudança vá declarar o rendimento ao Fisco), mas há que contabilizar os efeitos indirectos. Para voltar a arrendar o apartamento que ocupei nos últimos 20 anos, a ex-senhoria vai mandar fazer cozinha e casas de banho novas.

A mudança absorveu toda a minha atenção durante esta semana, fazendo-me esquecer os outros problemas que me afligem. Reparei apenas que a crise foi substituída pela gripe mexicana como cabeça de cartaz dos noticiários.

Enquanto desempacotava as caixas, pensei que às vezes há males que vêm por bem, e que não é impossível que se a gripe suína se transformar mesmo numa pandemia (e não apenas um ameaço como a gripe das aves), não é impossível que um dia destes despertemos para o facto da crise ter acabado, por falta de mimo e de atenção.

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

1 comentário

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D