Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

O PSI 20 é que conta, o resto é paisagem

Quando era miúdo e ia à Feira Popular, depois de andar na roda gigante e antes de jogar matrequilhos, adorava mirar-me naqueles espelhos côncavos e convexos que distorcem a imagem, fazendo-nos parecer muito gordos ou muito magros, e que , se não me engano, ficavam junto ao poço da morte, onde evoluíam motociclistas virtuosos e destemidos.

Na altura não fazia a menor ideia de que iria passar a vida numa indústria (a dos Media) que se dedica a distorcer a realidade.

Ao folhearmos os diários de informação económica somos levados a concluir que o essencial da riqueza é produzida pelo PSI 20, o nosso Dow Jones que agrupa as cotadas de maior dimensão e cujas acções são mais transaccionadas.

A cobiça alheia pela operação da PT em Marrocos, a exploração de petróleo pela Galp no Brasil e o trimestral do BES são a realidade da economia portuguesa reflectida ao espelho distorcido dos Media.

O PSI 20 é que conta e o resto é paisagem - apesar do resto serem 99,3% das empresas que têm menos de 50 trabalhadores mas produzem mais de 70% da nossa riqueza e garantem 82,6% do emprego.

Compreende-se que assim seja. Sabedoras da influência das notícias (1) nas cotações, as companhias do PSI 20 trabalham a informação e a sua divulgação com tal profissionalismo que não há-de tardar o dia em que haverá mais jornalistas nas agências de comunicação do que nas Redacções.

Justiça seja feita, não é fácil calibrar a informação, quando se dirige Redacções magras e low cost, em empresas sequiosas de receitas publicitárias que lhes equilibrem a conta de exploração. E além de ser feio é também muito imprudente morder a mão que nos dá de comer…  

Tudo isto apenas para vos dizer que me estou a marimbar para as trapalhadas internas na Cimpor. O que me preocupa mesmo é que os industriais de calçado – que exportam 91% da sua produção e contribuem para o PIB com 1,4 mil milhões de euros/ano -  estão desesperados, não por falta de encomendas, mas antes porque as seguradoras (e mais de metade do sector está nas mãos da Caixa) cortaram de forma cega e criminosa os seguros de crédito à exportação e eles temem perder os clientes.

Num momento em que precisamos de exportar como de pão para a boca, os gestores que não desbloqueiam os seguros de crédito merecem espaço de destaque na secção de crime e escândalo, ao lado das malfeitorias públicas dos banqueiros do Banco Privado e BPN. O problema é que eles, os industriais de calçado, são lá de cima, do Norte, de Felgueiras e S. João da Madeira - e ainda se calhar ainda não se lembraram de contratar uma agência de comunicação.

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

 

(1)   Advirto que nem sequer estou a falar de notícia no conceito restritivo e fundamentalista de Hearst, que considerava notícia apenas o que alguém queria que não fosse publicado, classificando tudo o resto como publicidade.

 

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

4 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D