Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Rui Pedro Soares

Fotografia Pedro Granadeiro

Nas vésperas do Euro 2004, estava a jantar com a mulher num italiano, em Nova Iorque, e teve de gastar 20 minutos a tentar explicar o inexplicável (por que é que o Scolari não convocara Vitor Baía) a um empregado de mesa polaco, que lhe fez a pergunta mal o soube  português.

São como as cerejas as histórias sobre o poder do futebol. Uma outra que o ele contou foi a primeiro ministro de um Palop que lhe confessou que na véspera se deitara sem jantar, pois ficara mal disposto com a derrota caseira do Benfica, por 3-0, com a Académica.

Encontramo-nos à hora do lanche, no bar da Casa da Música. Era 6ª feira e Rui Pedro Soares, 36 anos, administrador executivo da PT, tinha vindo a conduzir de Lisboa. O café, a água do Luso (natural) e a nossa conversa foram um intervalo antes de seguir para o jantar comemorativo do tetra, no Dragão Caixa.

O jantar era um misto de função e devoção. Ele é o responsável máximo pelos patrocínios da PT ao futebol. Está sentado em cima de um orçamento anual de 15 milhões de euros, dos quais mais de 80% vai directo para os três grandes. “Representamos 10% das receitas totais do futebol”, diz.

Mas Rui Pedro também é do Porto. Do Porto cidade (emigrou para Lisboa com 16 anos, quando o pai, um alto quadro da Tranquilidade, achou deviam ir viver para a cidade onde estavam as oportunidades) e também do Porto clube – onde jogou nos juniores, ao tempo de Sá Pinto e Rui Jorge.

Do ponto de vista das paixões clubisticas, na Executiva da PT reina o equilíbrio e cosmopolitismo adequados: três benfiquistas, dois portistas, um adepto do Chelsea e outro do Man Utd.

Rui Pedro está muito contente com os resultados da aposta no futebol. “O retorno do investimento aumentou 150% nos últimos dois anos. 80% dos portugueses sabe que somos os principais patrocinadores do três grandes. Este índice de notoriedade é impossível de atingir noutro meio”, afirma.

Com a saída do BES da parte de trás das camisolas, voltará a haver marcas de grande consumo a apostar em apenas um (Sagres, com o Benfica) ou dois grandes (Super Bock, com o Sporting e FC Porto), pela primeira vez desde que a Parmalat se deu mal com isso.

Rui Pedro garante que não é por temer reacções negativas que a PT está com os três grandes. “Nós trabalhamos para 100% do mercado. Nas áreas onde estamos, ou somos lideres ou vamos sê-lo. Não apontamos a nichos”, explica.

O futebol é apenas uma das suas preocupações. Os cuidados de saúde da PT (um sistema com 103 mil beneficiários, nove mil médicos convencionados e 100 mil actos médicos mensais) e a gestão do imobiliário (dois mil edifícios avaliados em 400 milhões de euros) também são pelouros dele.

Mas é natural que os seus olhos brilhem mais quando fala do futebol, que  ajuda o grupo PT a ter quatro  - TMN, PT, Sapo e Meo (que vai estar na frente das camisolas dos equipamentos alternativos) – das dez mais valiosas marcas portuguesas.

“Nós estamos satisfeitos com os clubes e eles connosco. Desenvolvemos um trabalho conjunto. Não é assinar o contrato e vermo-nos para o ano. O Vitor Baía, o Sá Pinto e o Rui Costa são nossos embaixadores e todas as semanas vão a escolas”, conta.

Rui Pedro garante que a PT não vai aproveitar a crise para baixar os valores dos patrocínios, e acrescenta que o casamento com o futebol é de longa duração.

“As estatísticas dizem que há uma grande probabilidade de divórcio ao cabo de sete anos de casamento. Nós vamos superar essa barreira esta época. O nosso casamento com o futebol é para toda a vida”, declara Rui Pedro que anda a ver se arranja tempo para revisitar o Rodrigues de Freitas (onde completou o 11º ano) e só tem um pequeno reparo aos seus conterrâneos: acha que não estão a ser completamente justos com a PT.

“Nenhuma outra empresa investe tanto no Porto como nós. Apoiamos a recuperação do IPO, Monumento da Guerra Peninsular e Palácio da Bolsa. Trouxemos para cá o Bike Tour. Estamos com a Casa da Música, Serralves, FC Porto, Fantasporto, Red Bull Air Race. Ajudamos o Boavista. Acho que merecíamos ser líderes no Porto em todas as áreas”, concluiu.

Jorge Fiel

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

Esta matéria foi hoje publicada no Diário de Notícias  

 

Menu

Bar dos Artistas

Casa da Música, Porto

2 cafés … 1,30 euros

1 Água do Luso … 0,80

1 Água das Pedras… 0,80

Totall….. 2,90 euros

 

18 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D