Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Margarida Menezes

Margarida celebrizou-se após se ter cruzado com Cicciolina (no foto)

Não é gorda, nem magra. Mais para o alto do que para o baixo. Não é feia, mas ninguém a inscreveria num concurso de beleza. Margarida é uma rapariga normal, vestida à Zara (túnica azul Bershka e jeans rasgados Pull & Bear) e com sandálias brancas Seaside. A única coisa que a diferencia é que os estudos garantem que a vida sexual das raparigas portuguesas começa aos 15 anos e ela já vai nos 26 e ainda nada…

Filha única de um vigilante reformado e de uma mulher a dias, mora no Barreiro e trabalha em “marketing social”, o que traduzido quer dizer que ganha um euro por cada peluche que vende em supermercados, shoppings e hospitais, sendo que outra parte da venda reverte para uma escola de crianças com deficiência auditiva.

Escolheu almoçarmos num restaurante brasileiro, no Parque das Nações, não só porque adora tudo quanto se relaciona com o Brasil (“danço tudo, forró, samba, e pagode!”) mas também porque fica ao lado da Restart, a escola onde fez um curso de Organização de Eventos, que durou dez meses e não lhe ficou barato – teve de vender 2600 peluches para o pagar.

Pediu bobó de camarão e sumo de manga. Apesar de ser gulosa, passou a sobremesa por preocupação com a linha. Quando vai ao karaoke (a sua interpretação de Amor de Água Fresca, de Dina, é afamada) bebe um Tango, “com mais groselha do que cerveja, para ficar mais docinho”. Nas Ladies Nights, arrisca um Baileys.

Viciada em Internet (chega a estar ligada 12 horas seguidas e a comer em frente ao computador), Margarida deu o passo decisivo para emergir do anonimato quando, por brincadeira, a 13 de Janeiro de 2008 fundou o Clube das Virgens (clubedasvirgens.blogspot.com), após se ter certificado no Google que não havia nada do género em Portugal.

O sucesso não foi imediato. As adesões só começaram depois dela ter entrado no circuito mediático ao apresentar uma comunicação numa conferência sobre o Desejo, organizada pelo Espaço T, que contou com a participação especial de Cicciolina.

Neste momento, o Clube das Virgens já tem 35 sócias - meninas entre os 16 e os 32 anos que trocam confidências num fórum privado – e Margarida é uma pequena celebridade, com aparições regulares na televisão, rádio e colunas de jornais e revistas cor-de-rosa.

Expansiva, lida bem com a exposição pública, que lhe tem trazido algumas coisas boas e outras que nem por isso. A convite de uma editora, está a escrever um livro, onde desnuda os seus fantasmas. “Quando andava na 2ª classe comecei a escrever um diário, onde confessava as minhas ansiedades e amores platónicos”.

No mês passado, em troca de cobertura televisiva, a TVI pagou-lhe a primeira consulta de Ginecologia, de onde ela saiu decidida a usar a pílula, não porque esteja a fazer planos de abandonar o clube, mas porque ficou a saber lhe fará bem à pele e ajudará a regular o ciclo menstrual.

Mas já provou o lado amargo da fama. Ex-dançarina das Super Águias (que actuam com pompons antes dos jogos em casa) e benfiquista, candidatou-se  e foi aceite para guiar visitas ao Estádio da Luz, mas acabou por ser dispensada antes de começar porque Luís Filipe Vieira não gostou do título – “Jesus, a Virgem e o Burro” – de um artigo alusivo ao assunto.

Margarida deu o primeiro beijo aos 22 anos e já teve dois namorados (um em 2005 e outro em 2007) que ela classifica como “amostras de relacionamento”, onde não passou “de uns beijos e uns amassos”. Acha que apesar das juras de amor, eles só queriam sexo. “As palavras enganam. As acções não”.

Não é por razões religiosas que se mantém virgem, mas apenas porque “ainda não apareceu a pessoa especial”.  “Para acreditar em Deus não é preciso ter uma religião. E para falar com Ele não é preciso rezar”, explica.

Os pais não são casados e ela não é baptizada. “Não tenho o sonho de casar. Mas se casar irei como uma princesa, de branco, véu e grinalda, com vestido redondo e coroa”, conclui esta rapariga que além de ambicionar encontrar o rapaz certo para entregar a sua virgindade,  adora praia, gostava de ir ao Brasil, precisa de um emprego e adorava ter um Peugeot Cabriolet azul metalizado.

Jorge Fiel

Esta matéria foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

Menu

Sabor a Brasil

Alameda dos Oceanos, Parque das Nações, Lisboa

4 pãezinhos de queijo … 1,80 euros

1 linguiça toscana … 2,00

1 chopinho 30 cl … 2,00

2 suco de manga… 7,00

2 bobó de camarão … 25,00

1 café… 1,00

Total … 38,80

40 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D