Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Teixeira dos Santos e 2 assaltos em Famalicão

Eu já simpatizava com ele. Ambos somos duplamente do Porto (clube e cidade). Mas Teixeira dos Santos subiu alguns pontos na minha consideração ao declarar: “Não sou um super-homem. Sou um simples cidadão que, quando tem de trabalhar mais, trabalha”.

Ao acumular a Economia com as Finanças, o ministro induziu ganhos de produtividade num sector (Função Pública) que bem anda precisado deles, como o prova o facto de termos 52 almirantes para 40 navios.

A baixa produtividade é a kryptonite que debilita a nossa economia. Portugal foi um dos três países da OCDE onde a produtividade registou a desaceleração mais significativa entre 2001 e 2006.

A riqueza por hora trabalhada em Portugal é das mais baixas da Europa, apesar de passarmos horas infindas no local de trabalho, desperdiçadas em reuniões improdutivas, incursões pessoais ao YouTube – e pausas para café, aproveitadas para alimentar a má língua interna, tão perniciosa para o ambiente como a traça num guarda-fatos.

Há a ideia que tudo muda quando vamos para fora. O exemplo clássico desta tese é o Luxemburgo, que é o país mais produtivo do Mundo e tem 20% de portugueses na sua população activa.

Acho que o problema não é de ares, pois, do lado de cá da fronteira, há, em todas as profissões (criminalidade incluída), gente muito competente, capaz e produtiva – e gente que não gosta de trabalhar e faz tudo em cima do joelho. Em Junho, em Famalicão, assistimos a dois casos exemplares destas diferentes atitudes perante o trabalho e a vida.

Na madrugada de 2 para 3, um bando de incompetentes assaltou a igreja de Stª Eulália, onde não havia um cêntimo sequer, pois, como todos os paroquianos sabem, há já dois anos que o padre substituiu as tradicionais caixas das esmolas por peditórios realizados durante a missa.

Seis dias depois, na freguesia de Ribeirão, um grupo de assaltantes limpou todo o dinheiro que havia no cofre de abertura retardada da agência do Banco Popular, após desactivarem o alarme, cortarem a electricidade e desligarem a videovigilância e os sensores de movimento. A operação demorou pelo menos três horas, mas ninguém deu por eles e não deixaram vestígios. Para tudo é preciso competência e profissionalismo.

“Temos de trabalhar mais horas e, sobretudo melhor, com mais produtividade”, avisou-nos Américo Amorim, que sabe do que fala porque apesar de só ter recebido o primeiro par de sapatos no final da primária, conseguiu reunir a maior fortuna de Portugal.

O ideal seria trabalharmos menos e produzirmos mais. Mas na nova ordem económica global em formação, não temos outro remédio senão trabalhar mais e produzir muito mais.

Jorge Fiel

Esta crónica foi publicada hoje no Diário de Notícias

33 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D