Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Francisco Murteira Nabo

 

A impressionante quantidade de chapéus que Murteira Nabo tem em armazém, aos 70 anos, lembra aqueles malabaristas que conseguem manter uma meia dúzia de bolas a circular no ar, sem as deixarem nunca cair ao chão.

Presidente da Galp e bastonário da Ordem dos Economistas, tem ainda uma costela de empresário, sendo que uma das empresas de que é sócio e gestor vai abrir, em Setembro, um hospital do cancro em Évora, a cidade onde ele nasceu.

Tinha passado a manhã na RDP África, com o chapéu de líder do movimento Elo, investido pela CPLP da tarefa de dar à luz uma confederação empresarial de toda a lusofonia, o que o levou a desabafar que está a tentar a quadratura do circulo: “Nós, portugueses, somos muito bons a definir as coisas que devem ser feitas, mas péssimos a executá-las”.

Escolheu o Aviz, celebrizado por ser a cantina de Calouste Gulbenkian e um restaurante que vai na sua quinta encarnação – deitou âncora na Duque de Palmela, sob o comando da Fundação Oriente (de que Murteira Nabo é curador), após ter largado do lugar onde está agora o Sheraton Lisboa e ter andado à deriva pelo Chiado, Amoreiras e Monte Estoril.

Apesar de ter estado preso num engarrafamento na avenida da República – onde foi feliz durante os sete anos em que presidiu à PT -, chegou à hora marcada, sem gravata e uma constipação que o arrelia há 15 dias, ao almoço em que, no essencial, usou o chapéu de presidente do Eco, um movimento de cidadania constituído por três dezenas das maiores empresas portuguesas, para ajudar a combater a praga dos fogos florestais.

Aviz, Ritz e Tivoli são os seus poisos habituais de almoço, mesmo durante o Verão, quando fixa residência na sua casa na Praia Grande, em Sintra.

Pediu um Porto e logo avisou que come pouco (só se deixou que lhe servissem uma vez o risotto de cogumelos) e tem cuidado com a alimentação  (o que demonstrou ao afastar a tentação do linguado mal soube que ele era frito) – e fez questão de se assegurar que a vichyssoise não vinha muito fria (por causa da constipação).

Ainda deitou um olhar guloso ao Abade Priscos, antes de encomendar o bolo de maçã com que sobremesou uma refeição regada por um Stanley tinto, das Terras do Sado, produzido pela fundação do homónimo magnata chinês (de que ele é curador).

“Pode parecer uma blague, uma banalidade, mas sinto que nasci para melhorar o mundo, para deixá-lo melhor do que encontrei quando cheguei. Gosto de participar, ser solidário e dar o que posso. Sou assim” – foi esta a explicação fornecida para ter tantos chapéus. “Não gosto da dispersão, mas não consigo evitá-la”, acrescenta.

Murteira Nabo diz que herdou do pai, comerciante alentejano de vinhos e cereais, o espírito de cidadania e a irrequietude que tem tatuadas no carácter e fez com que ele fosse escolhido para chefe de turma, dirigente associativa de Económicas e capitão da equipa de juniores do Lusitano de Évora, campeã regional na época 56/57, onde ele se distinguiu como defesa central, ao ponto de despertar a cobiça dos olheiros do Benfica, Sporting e e Belenenses.

“Como sou barato, não levo nada, convidam-me para tudo e eu sou incapaz de dizer que não a um amigo”, conta Murteira Nabo, que apenas recebe na Galp (que acumula com a reforma da PT).

Foi incapaz de dizer não quando, no rescaldo do terrível Verão de 2005, em que ardeu 10% da nossa floresta, o amigo António Costa, então ministro da Administração Interna, lhe pediu que liderasse um movimento de empresas que ajudasse na prevenção dos fogos.

Murteira Nabo convenceu duas dezenas de empresas a porem logística e equipamentos à disposição da causa de fazer passar a mensagem de três coisas proibidas na floresta: deitar cigarros para o chão, fazer fogueiras e lançar foguetes.

“97% dos incêndios são causadas pelo homem. A maioria das ignições são involuntárias, derivam de comportamentos negligentes”, justifica. Os perigos de cigarros, fogueiras e foguetes foram repetidos nos pacotes de açúcar da Delta, nos sacos dos supermercados, nos postos da Galp, nos carimbos dos CTT, etc,  Logo no primeiro ano, o movimento Eco contabilizou  60 milhões de contactos, numa campanha que a ser paga custaria sete milhões de euros.

Nos últimos três anos tem ardido cada vez menos, o que atribuiu ao efeito conjugado de condições metereológicas favoráveis (Verões mais húmidos), a franca melhoria dos mecanismos de prevenção e combate, e, também, do êxito da campanha do seu movimento. Em 2006, apenas 30% dos cidadãos achavam que deviam ser responsáveis pela prevenção dos incêndios florestais. Em 2008, essa percentagem tinha subido para 44%. “A mensagem está a passar”, garante.

Este ano, por causa dos incêndios de Março, a área ardida já superou a do ano passado, o que deixa Murteira Nabo apreensivo. Mas para ele o decisivo é fazer evoluir o movimento, retirando-lhe sazonalidade (“A prevenção é a chave. O fogo combate-se no Verão, mas previne-se no Inverno”)  e deslocando o seu centro de gravidade do combate ao fogo para a defesa da floresta.

“Somos o país como maior cobertura florestal da Europa. Dois terços da nossa superfície são floresta, que vale 3,2% do PIB, 11% das exportações e 260 mil postos de trabalho. A floresta é estratégica para Portugal. Não podemos deixar os incêndios destruir esta nossa riqueza”, concluiu Murteira Nabo, um economista a quem a responsabilidade social “dá prazer” e que não gosta de fazer caridade, “mas ajudar a resolver problemas”. 

Jorge Fiel

Esta matéria foi publicada hoje no Diário de Notícias

Menu

Aviz

Rua Duque de Palmela 32, Lisboa

Couvert … 7,60 euros

1 Tawny Burmester … 4,00

2 Vichyssoise … 9,40

1 Bacalhau à Gomes de Sá … 16,20

1 Risotto cogumelos e tomilho … 14,50

1 Stanley tinto Terras do Sado … 18,80

1 Água Chic 1 l … 2,50

1 Água Pedras 0,75… 3,00

2 Sobremesas … 10,40

2 Cafés … 3,00

Total … 89,40 euros

45 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D