Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Miguel Salema Garção

Nunca ligou à política e não faz a mínima ideia em quem vai votar no próximo domingo, mas não alinha nessa do papão espanhol e até olha com muita simpatia a criação de uma Liga Ibérica, sugerida por Rui Pedro Soares, administrador executivo da PT, que é responsável por 10% das receitas do futebol nacional.

“Se o nosso futebol quiser crescer, o caminho é por aí”, afirma Miguel Salema Garção, 41 anos, membro da Comissão Executiva do Sporting SAD. Como a geografia deu-nos apenas dois vizinhos, e um deles é o mar, acha inevitável que as empresas de todos os sectores encarem toda a Península como mercado doméstico.

“Dada a nossa pequena densidade demográfica, temos de apostar na iberização para potenciar o negócio. Numa Liga Ibérica, as receitas dos patrocinadores, assistências e direitos televisivos seriam incomparavelmente maiores”, explica.

Ao longo da sua carreira de gestor, feita entre os CTT e os seguros, Miguel trabalhou um ano em Madrid, numa corretora de seguros do grupo Aon (actual patrocinador do Manchester United) e guarda gratas recordações dessa experiência.

“Os espanhóis percebem melhor do que nós que a função de um profissional é criar valor para o accionista e assim aumentar a riqueza do país e melhorar o seu próprio nível de vida. E têm um sentido de patriotismo que faz-nos falta a nós, portugueses, que somos invejosos e não valorizamos devidamente gente como Durão Barroso, o Ronaldo, o Mourinho ou o Figo com grande sucesso internacional”, declara Miguel, um homem desempoeirado, que casou há 11 anos na Jamaica  (um dois em um, já que passou lá a lua de mel) com um advogada que já lhe deu dois sportinguistas, o Manel, de nove anos e a Maria, de quatro.

Almoçamos no Casa 21, no piso da tribuna presidencial do Alvalade XXI, um restaurante concessionado à Casa do Marquês, empresa de catering de José Eduardo, decorado com quadros da autoria de Jordão – o que não deixa de ser comovente, porque, quando ambos eram futebolistas, o actual empresário da restauração partiu (sem querer) a perna ao actual pintor.

Os maus resultados do último exercício (prejuízos superiores a 13 milhões de euros) da SAD leonina não desanimam Miguel: “As pessoas pensam que a crise não chegou ao futebol, mas estão enganadas. As grandes empresas reduziram o investimento, diminuiu o número de espectadores e há menos transacções de direitos desportivos. Além disso, temos estado a segurar os talentos. Nas últimas três épocas, apenas vendemos o Nani”.

Miguel garante que o Sporting está “no trilho certo”, tem uma das melhores academias do Mundo, é o clube português com mais capacidade de gestão, tem um presidente “que combina experiência, profissionalismo e paixão”, e, excepção feita ao tempo dos Cinco Violinos,  vive o período de maiores sucessos desportivos da sua história.

Este optimismo alarga-se à sua análise da competividade da indústria portuguesa de futebol: “Está provado por A + B que sabemos fazer  talentos mundiais neste sector”, diz, acrescentando que, no entanto, “é preciso aprofundar a profissionalização a todos os escalões, não só os clubes, mas também liga, federação e associações”.

“Os jovens gestores devem poder encarar o futebol como um sector para fazerem a sua carreira, igual a qualquer outro, como a informática, finanças ou distribuição. Se os jogadores, treinadores e directores desportivos circulam por todo o Mundo, porque não acontecerá o mesmo com os gestores?”, pergunta.

Há, no entanto, um pingo de irracionalidade a turvar este raciocínio, já que Miguel declara, sob palavra de honra, que “seria absolutamente incapaz de trabalhar no Benfica”, afirmação susceptível de embaraçar Domingos Soares de Oliveira, o sportinguista que é responsável pelo pelouro financeiro na administração do Benfica.

“Nesta área só me vejo a trabalhar no Sporting. O profissionalismo é o mesmo, mas há a componente da paixão. É um prazer enorme trabalhar no meu clube de sempre”, concluiu Miguel, que, apesar de ser filho de um benfiquista, é o sócio 10 184 do Sporting e foi um dos fundadores da Juventude Leonina.

Jorge Fiel

Esta matéria foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

Menu

Casa 21

Estádio Alvalade XXI (ao lado porta 4)

2 couvert … 6,00 euros

2 choquinhos à algarvia… 25,00

2 buffet fruta e doce … 10,00

1 água Vitalis 1 l .. 2,00

1 Quinta do Castro tinto … 22,00

2 cafés … 2,00

Total … 67,00 euros

31 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D