Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Nuno Sousa

Foto Paulo Jorge Magalhães

Dantes, mal se levantava da cama, às seis da manhã, ia logo por o café a fazer. “Adoro o cheiro do café”. Agora, a primeira coisa que faz é despachar o email, rotina que repete religiosamente antes de se deitar, por volta das duas. “Não preciso de dormir muito”, confessa Nuno Sousa, 41 anos, médico e investigador na área nas Neuro-Ciências. “Sete horas de sono são, em média, suficientes para um adulto. Dormir demais faz mal porque torna os processos mais lentos”.

Quando se é uma das maiores autoridades mundiais em stress, não podemos estranhar ter a caixa de correio sempre a abarrotar, e ele não considera educado deixar um mail sem resposta mais de um dia.

O email e o telemóvel podem facilitam-nos a vida mas são também indutores de stress. “Estamos a acelerar cada vez mais as nossas vidas”, constata Nuno, que distingue dois tipos de stress, o bom e o mau.  “Debaixo de algum stress, a nossa performance melhora, sem consequências porque a adrenalina tem um efeito rápido”, explica. O problema é o stress crónico, que se verifica quando os estímulos indutores ultrapassam, de forma continuada, a nossa capacidade de adaptação e provocam doenças, fazendo subir a tensão arterial e aumentando o risco de diabetes e depressão.

Nuno tornou-se uma coqueluche mundial ao publicar (em conjunto com sete outros cientistas portugueses) na revista Science, um artigo, onde conclui que as pessoas expostas a stress tendem a tomar decisões erradas, mas que isso pode ser resolvido.

Encontramo-nos na Escola das Ciências de Saúde da Universidade do Minho, de que ele é o director e um dos fundadores. Logo à entrada, ficamos com a sensação de estarmos numa universidade americana transplantada para o campus de Gualtar, nos arredores de Braga. A escola está povoada por grupos de estudantes com ar feliz, que conversam, comem, estudam e discutem, espalhados por salas e laboratórios com equipamento state of the art.

O ensino da Medicina em Braga é muito diferente do ministrado nas outras faculdades do país. Para praticarem consultas, os 600 alunos têm ao dispor cerca de 70 doentes standard, actores formados durante um ano para serem especialistas numa doença (pericardite, infecção renal, insuficiência respiratória, etc), também usados no processo de avaliação. Parte dos exames são feitos num consultório equipado com uma câmara, que permite aos professores, que estão no gabinete ao lado, seguirem o diálogo entre aluno e actor, a quem previamente entregaram o guião - o falso doente pode começar a consulta a dizer ao futuro médico que só precisa que ele lhe passe uma receita.. .

Depois de uma vista de olhos pela escola, fomos no Toyota Corolla do Nuno para o Arcoense, famoso pela sua comida caseira, onde almoçamos sem stress (não ligamos aos telemóveis) até às 16h30.

Nuno é do Porto, onde se licenciou em Medicina e começou a usar o cérebro para entender como funciona o cérebro. O período de maior stress da sua vida foi a fase final do doutoramento em que provou que, ao contrário do que se pensava, o stress crónico não provoca uma matança neurónios e o hipocampo apenas fica atrofiado porque diminuem as sinapses (a comunicação entre neurónios) - ou seja, que eliminando a causa a situação era reversível.

Este tese foi o ponto de partida para a investigação de uma equipa multidisciplinar (médicos, biólogos, bioquímicos, psicólogos, veterinários e engenheiros de sistemas, biomédicos e biólogos) cujas conclusões publicadas na Science, despertaram o interesse do New York Times.

Com base em trabalho laboratorial com ratos, Nuno provou que o stress leva-nos a tomar decisões erradas, pois, ao atrofiar o circuito cerebral que nos dá a flexibilidade para encarar e reagir a uma situação adversa e inesperada, deixa-nos dependentes da parte do cérebro onde temos armazenados os hábitos, que nos permitem, por exemplo, guiar até a casa, em piloto automático, sem ligar ao trajecto. A boa notícia é que através de terapia, fármacos e estímulos eléctricos vai ser possível, proximamente, activar o circuito atrofiado e poupar-nos aos erros e depressões a que o excesso de pressão nos tem obrigado. Ou seja, dentro de poucos anos, o guarda redes Enke já não se teria suicidado…

Jorge Fiel

Esta matéria foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

Menu

Arcoense

R. José Justino Amorim 96, Braga

Dobradinha… 2,50 euros

Favas com presunto … 2,50

Pataniscas de bacalhau … 3,00

Assado misto (costela mindinha, cabritinho e porco bisel)… 43,50

Meio litro de tinto da casa (Douro) … 6,50

Diversos (pão, água e café) …5,70

Total … 63,70

24 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D