Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

José Manuel Silva Rodrigues

O presidente da Carris está a dar uma nova dimensão a um dos mais famosos fados de Amália Rodrigues, já que começou a perfumar os autocarros com uma fragância denominada “Happy City”, onde, de acordo com o autor, se misturam os aromas de Lisboa –  jacarandá, Tejo, pastel de nata, alfazema e canela.

José Manuel Silva Rodrigues, 58 anos, não consegue distinguir todas estas nuances no perfume, mas garante que ele cheira bem e promete que esta experiência sensorial, em curso em 40 autocarros, se alargará a toda a frota.

Vencer o preconceito contra os transportes públicos e tornar as viagens de autocarros mais atraentes e agradáveis é a cruzada particular deste macro-economista, que há mais de um quarto de século trabalha neste sector, com escalas na CP, Fertagus e Rodoviária Nacional.

“Cheira bem, cheira a Lisboa” não foi o primeiro fado que o inspirou. Numa anterior passagem pela Carris, em 95/96, o poema “O Amarelo da Carris” de Ary dos Santos, imortalizado por Carlos do Carmo, esteve na origem da decisão de mandar pintar os autocarros de amarelo, pondo-os em sintonia cromática com os eléctricos e tornando a paisagem urbana de Lisboa indiscutívelmente mais bonita e alegre.

O comandante da frota de 750 autocarros (Volvo, MAN e Mercedes) e 60 eléctricos, que, guiados por 1650 tripulantes impecavelmente fardados (“o mau fardamento pode dar origem a processo disciplinar”, adverte), fazem diariamente 95 carreiras escalando 2 000 paragens, chegou para o almoço conduzido por um motorista e num Mercedes da Carris – mas preto, não amarelo.

Escolheu o Sancho, na Travessa da Glória, ao lado do elevador celebrizado pela Xana dos Rádio Macau e um dos quatro (além da Lavra, Bica e Santa Justa) Monumentos Nacionais e emblemas de Lisboa que integram o património da Carris. A poluição e o congestionamento foram os principais assuntos de uma conversa feita à mesa de um restaurante que fica numa pequena perpendicular da mais poluída e congestionada avenida do país.

Logo à chegada, enquanto despia a gabardina, apaixonou-se à primeira vistas pelos salmonetes expostos à entrada na bancada de peixe. Pediu um, bem grelhado, que temperou generosamente com limão e acompanhou com grelos cozidos e uma flute de Encosta d’Arêgos, um vinho minhoto de carácter limonado. À sobremesa, voltou aos tons laranja (que vestiam os autocarros até à sua chegada à Carris) ao pedir uma papaia.

Em 2003, quando voltou à Carris, investiu 94 milhões de euros na renovação da frota, baixando a sua idade média de 16,5 anos para seis (a de Madrid tem oito). “540 dos 750 autocarros são novos”, diz com orgulho, este antigo director-geral dos transportes terrestres, que começou a trabalhar com 21 anos, como técnico de 3ª no Ministério do Ultramar, e que no início dos anos 80, nos Governos Balsemão, foi adjunto dos ministros das Finanças Morais Leitão e João Salgueiros.

Diariamente, entram em Lisboa meio milhão de carros, com uma média de 1,2 pessoas a bordo. As consequências são terríveis em poluição, congestionamento, ruído e horas perdidas em engarrafamentos, calculando-se que impliquem um desperdício equivalente a 6% do PIB.

Renovada à frota e feito um esforço por facilitar a vida aos clientes, Silva Rodrigues declarou guerra ao automóvel ao desencadear a campanha Nem Mais um Carro. “Não basta ter um produto bom. É preciso que o mercado o conheça”, explica o presidente da Carris. O objectivo é aumentar em 5% a quota dos transportes pública na mobilidade lisboeta. Os progressos são lentos. Em 2009, o número de viagens de Carris subiu 2,5%, situando-se nas 240 milhões (num total de 400 milhões, em que a outra fatia pertence ao Metro).

“Para aumentarmos a velocidade média, que está estabilizada nos 14,8 km/hora, diminuir o tempo das viagens e cumprir os horários, é preciso aumentar os 60 km de corredores Bus que são 10% da nossa rede. Estamos a trabalhar com a Câmara para a afectação de mais espaço aos transportes públicos”, explica Silva Rodrigues, que preconiza medidas duras no combate ao estacionamento selvagem e indevido, bem como a criação de dificuldades, através do aumento dos preços, ao estacionamento na Baixa.

A oferta de soluções de mobilidade porta-a-porta, combinando autocarros, eléctricos, metro, comboio, bicicleta e o automóvel é o alfa e o ómega da acção do presidente da Carris, que teme o impacto dos carros movidos a electricidade.

“Ao ser mais barato, o veículo eléctrico pode ter efeito perverso de agravar o congestionamento”, avisa Silva Rodrigues, que na sua juventude nunca teve passe da Carris.  Como morava em S. Bento, ia a pé para o Liceu Passos Manuel e para o ISE. E fez a escola primária num colégio propriedade do padrinho, que era no prédio onde morava – só tinha de subir do 1º para o 2º andar.

Jorge Fiel

Esta matéria foi hoje publicada no Diário de Notícias

16 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D