Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Esta vida são dois dias

Não preciso de ser dono deste quadro do Dórdio Gomes para tirar prazer dele

Quando eu tinha 14/ 15 anos, a felicidade era muito barata. Podia custar 17$50, o preço da francesinha e um príncipe no Capa Negra do Campo Alegre. Podia até ficar de borla, se a miúda que nos punha as hormonas aos saltos não tirava a mão dela, quando lhe dávamos a nossa, alimentando as legítimas expectativas de que mais tarde ou mais cedo (de preferência mais cedo!) passaríamos a formas superiores de luta, ao nível do contacto físico.

A partir destas experiências de prazer procurado, percebi que sofrimento e risco fazem parte do processo de obtenção da felicidade. A francesinha sabia melhor quando eu tinha fome e a cerveja quando estava com sede. Para nos habilitarmos a uma queca, é preciso arriscar sofrer um pontapé nos tomates do nosso amor próprio, se a rapariga dos nossos sonhos húmidos retira rapidamente a mão que lhe demos e explica, toda lampeira, que gosta de muito de nós - mas só como amigos. O sexo e o amor sabem muito melhor quando estamos cheios de fome e sede deles.

Nos últimos 30 anos, o período de maior prosperidade de toda a história da humanidade, registou-se uma hiper-inflação dos custos da felicidade, provocada pela febre da propriedade, em que as pessoas erradamente confundiram posse com o prazer, esquecendo de que mais importante do que ter uma coisa é usufruir dela e que são os objectos que nos possuem – e não o contrário.

Deste período de correcção de valores e comportamentos, que designamos por crise, vai emergir um novo normal, marcado pela diminuição do custo de utilização dos produtos, em que alugaremos a roupa de bebé, que dura apenas três meses, e acharemos ridícula a mania de todos possuírem um carro próprio – imaginem que não havia outra maneira de usar avião a não ser ter um nosso!

No novo normal, avaliaremos em termos custo/beneficio a relação entre o tempo que gastamos a ganhar dinheiro e o tempo de prazer de que desfrutamos com o produto do nosso trabalho. Tom Jobim tinha razão quando disse que “o que importa é ser feliz” mas temos de ser criteriosos sobre onde se adquire a felicidade - se na cama, na pastelaria ou no fundo de uma garrafa – e no preço a pagar por ela. 

Nestes tempos difíceis, que põem à prova a alma dos homens, não podemos dar demasiado importância à “situação explosiva”, “morte lenta”, escutas, Face Oculta, dívida, desemprego ou défice. O melhor é descontrair-se e divertir-se. Abra a garrafa de Barca Velha que corre o risco de se passar. Goze as milhas do cartão antes que caduquem. Tire partido de tudo quanto é de borla e pode dar muito prazer. Esta vida são dois dias e o primeiro está a acabar.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

8 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D