Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bárbara Coutinho

Uma fralda de pano. Não precisou de puxar pela cabeça quando perguntamos qual o primeiro objecto de design que conheceu: foram as fraldas de pano que a mãe lhe punha. Touché! Tudo é desenhado. Marcado o ponto, respondeu sem recorrer ao cliché do clip: a Bic cristal, preta (“nunca escrevi a azul”), esfera normal, foi o primeiro objecto que apreciou pela sua estética e funcionalidade.  E também os jeans, a peça em si, nenhuma marca em especial. “Tanto compro na Marni como na Zara. Não vou pelas marcas, mas pelas peças”, esclarece.

Bárbara Coutinho, 38 anos, vestia jeans, botas pretas e pulôver em vê claro, quando nos encontramos no Museu do Design e da Moda (MUDE) instalado na antiga sede do BNU, na rua Augusta, e a mais recente coqueluche da capital em meio ano recebeu 120 mil visitantes, tornando-se o terceiro museu mais visitado, a seguir aos Coches e ao Berardo.

Escolheu ser fotografada junto a La Chaise, cadeira branca da dupla Charles e Ray Eames, uma das suas peças preferidas das 2500 da colecção Capelo, que são o espólio base do MUDE. Como a cadeira está em exposição, não se sentou nela, mas está farta de conhecer essa sensação porque tem uma igual na sala da casa, que usa para ler e ouvir música (muito jazz).

Como mora na Baixa, vai a pé para o MUDE, só usando o Ford Ka amarelo quando vai dar aulas de História Arquitectura nos mestrados do Técnico. Apesar de urbana e de não usar muito o carro, adora conduzir, gostava de ter um jipe e um dos seus sonhos era fazer um Dakar.

Na subida para o Chiado, resumiu-nos a vida num parágrafo. Filha de uma ajudante de Farmácia e de um pedreiro, cresceu na Costa da Caparica onde adquiriu a paixão pelo mar e o gosto pelos banhos no Inverno: “É a melhor praia do país. Não sou mulher de águas calmas. Gosto de sentir as ondas e a força do mar”. Ainda encarou ir para Medicina e ser cirurgiã, mas licenciou-se em História de Arte na Nova. O primeiro emprego foi a dar aulas à noite, no Secundário, enquanto fazia o mestrado com uma tese sobre Carlos Ramos.

“Para se ser professor temos de estar aberto para aprender. Ensinar mantém-nos abertos e em permanente auto-formação”, diz Bárbara, que trazia um relógio Ómega e um anel transparente com uma pérola, comprado no Victoria and Albert Museum. Ela até gosta de dar aulas, mas como não queria passar o resto da vida como profe no Secundário candidatou-se e foi aceite no concurso que pedia uma pessoa que concebesse e coordenasse o serviço educativo do CCB. Estávamos em 1998 e era o início de uma bela amizade entre ela e colecção Capelo que desembarcou no CCB nesse mesmo ano. Nunca mais se separaram.

Nota-se à primeira que ela adora gengibre, o denominador comum entre a bebida (sumo de cenoura com toque de gengibre, apresentado na lista como “uma experiência revitalizante”) e a massa soba grelhada na chapa ao estilo japonês, com galinha, miolo de camarão, ovo, cebolinho, cenoura, pak choi, rebentos de soja e cebola, coberta com cebolinha frita, sementes de sésamo e gengibre. Como ama a cozinha oriental, para a semana vai estar nas suas sete quintas, pois 2ª feira parte para Seul.

O seu programa está sintetizado nas iniciais do museu: MUDE. “Vamos contribuir para a mudança na Baixa, em Lisboa e na consciência. Mais importante que os objectos é desenhar a atitude das pessoas”, declara Barbara, que tem em mãos a rara oportunidade de pôr em prática a tese de doutoramento em que está a fazer sobre os novos museus para o século XXI -  as novas catedrais, sim senhor, mas catedrais mutantes, flexíveis, em que a percentagem de área de exposição desce para dar espaço a livrarias, auditórios, lojas, cafetarias, restaurantes e outros locais de fruição. 

“Colecção não é sinónimo de museu, que não pode ser um contentor branco, mas antes um espaço vivido, que integre os hábitos e o dia a dia das pessoas. Não se trata de ir ao museu mas de o viver. É preciso tirar as aspas ao design”, conclui.

Jorge Fiel

Esta matéria foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

Menu

Nood Chiado

Largo Rafael Bordalo Pinheiro 20, Lisboa

2 Yaki Soba … 17,60 euros

2 Ginco … 5,40

2 Cafés … 1,80

Total … 24,80

29 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D