Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Homer, o dr Pangloss e as privatizações

 

Há um episódio dos Simpsons em que Homer dá dois preciosos conselhos ao seu filho Bart; que nunca de se canse de repetir a frase “Boa ideia chefe!” e de responder  “Mas quando eu cá cheguei isto já era assim”, sempre que questionado sobre a sua responsabilidade em algo que correu mal.

O abuso de graxa aos chefes e a recusa absoluta em assumir a culpa por um erro cometido têm sido o cimento de muitas carreiras de betão nas empresas e nos partidos, apesar de, já uns bons 250 anos, o bom do dr Pangloss nos ter provado, usando a metafísico-teológico-cosmonologia, que não há efeito sem causa.

Apenas discordo do mestre de Cândido, inventado pelo genial Voltaire, quando ele sustenta que as coisas não poderiam ser diferentes do que foram. A maneira como as privatizações foram geridas em Portugal desmente o optimismo do dr. Pangloss.

Se não tivesse entregue o BPA ao BCP, decapitando o Norte da sua cabeça financeira, o Estado português ter-se-ia poupado a maçada de assistir impotente à disputa por três grupos brasileiros do controlo na nossa multinacional cimenteira. Para premiar, com dinheiro que não era dele, o genro que mais netos lhe deu e uma família que professa a mesma obediência religiosa, Jardim Gonçalves montou uma operação, abençoada pelo Estado, que permitiu à Teixeira Duarte controlar a Cimpor sem ter músculo financeiro para tamanha cavalgada.

Pior ainda. Para entregar a Cimpor ao BCP/Teixeira Duarte, o Governo prejudicou o candidato à compra que mais credenciais tinha (Pedro Queirós Pereira) e, para o compensar, num trágico efeito dominó, vendeu-lhe a Portucel, penalizando a Sonae, grupo nascido e desenvolvido na fileira florestal e um dos lideres mundiais nos aglomerados de madeira.

Como Belmiro nunca disse ámen com um Governo, o primeiro ministro benzeu todas as manobras, feitas por debaixo da mesa, para frustrar a OPA sobre a PT que a Sonae lançou em campo aberto e by the book. Sócrates cuspiu para o ar e agora o cuspo cai-lhe em cima.

Os nossos cimentos passarem para mãos brasileiras é o efeito 2010 que tem como causa a catastrófica política de privatizações, de Cavaco a Sócrates, passando por Guterres e Durão, todos eles enormes especialistas na organização de derrotas.

Em 2011, quando os distraídos do costume estiveram a carpir a passagem da Galp para mãos angolanas (ou brasileiras), estarei aqui de novo a lembrar que o dr Pangloss se esqueceu de que o problema das causas e efeitos é que os efeitos também são causas -  e que não podemos deixar impunes os governantes que seguem a doutrina de irresponsabilidade que o pai Homer pregou ao seu filho Bart.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

34 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D