Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Gostava de ser Gastão mas sinto-me Peninha

No universo do Disney, os meus heróis são os personagens mais cheios de defeitos, como os infelizes irmãos Metralha ou o Zé Carioca, que é alérgico ao trabalho e mantém a forma fazendo os 400 metros planos a fugir dos credores. Os sobrinhos são insuportáveis. E apesar de detestar o Gastão, reconheço que as razões deste são idênticas às que levaram a raposa da fábula do Lafontaine a dizer “estão verdes, não prestam”.

Na verdade, adoraria ser tão sortudo como o ganso Gastão, mas, na triste e dura realidade, quando olho para o espelho, ele devolve-me a imagem do azarado pato Peninha muito mais vezes do que eu gostaria. A sorte e o azar existem, e se alguém o tentar convencer do contrário, pergunte-lhe porque é que o Durão Barroso é presidente da Comissão Europeia.

Os factos que se seguem tiveram lugar entre as 10h30 e as 13h00 de 3ª feira - era dia 13, mas não 6ª feira, não passei debaixo de uma escada, não me cruzei com um gato preto, nem parti um espelho.

Passei a manhã à conversa com Luís Vale, dinâmico director de marketing da Carris, que me falou com entusiasmo da meritória campanha Menos um Carro e do notável esforço de melhoria da qualidade do serviço. Em seis anos, a idade média da frota passou de 16,5 anos para 6,5 anos (é das mais jovens da Europa). A aposta na renovação alargou-se aos motoristas. É impressionante que num total de 2700 trabalhadores, haja um contingente de 1200 motoristas novos, que antes de serem lançados para o volante dos autocarros foram formados e instruídos para serem os embaixadores da Carris junto dos clientes.

Acabada a entrevista, despedi-me do Luís e atravessei a rua. Esperei menos de cinco minutos pelo 48 das 11h35, com destino ao Marquês do Pombal. Logo à entrada, sofri o primeiro contratempo. Como o saldo miserável (52 cêntimos) do meu cartão Lisboa Viva era insuficiente, gastei 1,40 euros na compra do bilhete a bordo.

Sentei-me lá atrás à janela e a viagem correu impecável, até que o 48 chegou às Amoreiras e claudicou.  O motor foi abaixo, era muito o fumo que estava a sair do escape, pelo que o motorista achou por bem evacuar o autocarro, explicando-nos ter medo que ele se incendiasse.

À saída do 48, vi um outro autocarro estacionado numa paragem, uns metros à frente. Era o 53, cujo destino desconhecia. Dei uma corrida para o apanhar, entrei, e o jovem motorista limitou-se a responder-me um sonoro “Boa tarde” quando lhe perguntei se o autocarro ia para o Marquês.

Já perceberam porque é que eu às vezes me sinto como o azarado repórter Peninha, de A Patada de Patópolis, propriedade do Tio Patinhas?

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

9 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D