Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

O Telef. mais tarde dá para os dois lados

Eu sabia perfeitamente o que arriscava quando ontem, por volta da hora do almoço, atendi um número privado. Era a Elsa Leitão, muito simpática e educada (apesar de mal paga) como a generalidade do pessoal do call center do Santander, a perguntar-me se eu já tinha pensado na proposta que a Rita me fizera na 6ª feira.

O seguro até é curioso. Se me fanarem a carteira ou eu a perder, basta um telefonema e encarregam-se de anular todos os cartões (seja qual for a entidade emissora), cobrindo ainda as despesas de emissão não só de novos Visa e Multibanco mas também de todos os outros documentos extraviados – BI, passaporte, cartão de sócio do FC Porto, etc, etc. Mais. Pelo mesmo preço, não teria de me preocupar se esquecesse a chave dentro de casa ou perdesse a chave do carro. Um telefonema e, zás!, aparece um tipo a abrir-me a porta e a fornecer um nova chave.

Senti-me tentado. Como agravante agradaram-me a sofisticação da resposta quando perguntei o preço (dez cêntimos/dia assustam menos que 35 euros/ano), bem como a correcção política com que a Rita apresentou a possibilidade de “a pessoa com quem vive”  subscrever o mesmo seguro por 27 euros.

Só não gostei da agressividade da venda. Ao confessar que achava o produto interessante, habilitei-me logo a receber em casa a documentação e depois, se por acaso mudasse de ideias, bastava no prazo de cinco dias fazer um telefonema gratuito a dizer que não queria. Alto e pára o baile!

Vem isto dos números privados a propósito do facto do telemóvel ter ultrapassado o automóvel como o mais indispensável objecto da nossa vida e esse fenómeno não ter sido acompanhado da elaboração de um corpo sólido de regras sobre a sua utilização.

Nos primeiros tempos, o número do telemóvel era uma espécie de segredo. Perdi a conta às vezes em que ouvi um irritado “Quem lhe deu o meu número?” (em 95% dos casos tinha sido ele…). Agora, que as pessoas se começam finalmente a convencer que quem lhes paga o salário são os clientes e não o patrão, os números de telemóvel já começam a constar dos cartões de visita.

No quadro desta mudança, e dando o meu contributo para a definição de uma etiqueta, acho imperdoável não enviar o nosso número e não responder às chamadas não atendidas de números conhecidos. Pensei em activar a opção de enviar a SMS “telef. mais tarde” sempre que não posso atender. Mas detesto a equívoca ambiguidade da formulação. Ficamos sempre sem saber se devemos insistir ou aguardar calmamente que nos liguem. O “telef. mais tarde” é tramado. Dá para os dois lados. É por essas e por outras que o pais nunca mais vai para a frente.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

13 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D