Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Tentar vender pentes a carecas

Tenho lá em casa uma adolescente que passa os tempos livres (que nesta altura excluem apenas as horas em que dorme) sentada no sofá, com o portátil aberto no colo, o telemóvel ao lado, o televisor à frente – e os fones nos ouvidos. Ouve música enquanto petisca, no Fox ou no AXN, uma episódio repetido do House ou do Lie to me, actualiza o perfil no Facebook, conversa no Messenger, espreita um vídeo no YouTube, recebe e envia SMS – tudo ao mesmo tempo. É brutal ver em acção uma adolescente tipo da geração multitasking.

Eu sou do tempo em que o telefone estava preso à parede por um fio, mas estou convertido às vantagens do telemóvel, que uso não só para fazer e receber chamadas, mas também trocar SMS e ainda como despertador, lista telefónica, agenda – e ocasionalmente para fazer uma fotografia. Planeio aproveitar as férias para fazer a migração do meu velho Nokia 6680 para o TMN com sistema operativo Android (sou fã do Google) apesar de saber que isso terá com óbvia consequência o agravamento do vício de estar sempre a ir ver o correio electrónico, que está a atingir uma fase doentia, pois já tenho de me esforçar para não estar sempre a interromper com visitas ao gmail a redacção de um texto. E está fora de questão deixar que o meu novo smartphone torne obsoletos o iPod e a máquina fotográfica Sony.

O desenvolvimento descontrolado da tecnologia está a alterar de forma radical os comportamentos sociais e é tão contagiante que não conhece idades: noutro dia, durante um jantar, um amigo meu surpreendeu Pinto da Costa, 72 anos, a trocar SMS com a sua namorada Fernanda, 23 anos, de um lado para o outro da mesma mesa de restaurante.

O telemóvel serve para actualizar as contas no Twitter e no FB, para consultar o mail, enviar SMS, fazer fotos, ouvir música, etc, mas é cada vez menos usado na vocação original de fazer e receber chamadas telefónicas, o que começa a preocupar as operadoras, já que em 2009, o tráfego de SMS cresceu 50%, mas os minutos de voz entraram na curva descendente.

O desenvolvimento descontrolado da tecnologia está a alterar de forma radical o cérebro dos adolescentes, com consequências ao nível da fragmentação de raciocínio, bem como da elevação dos níveis de ansiedade e da incapacidade em distinguir o que é ou não relevante. É por essas e por outras que, sempre que ouço colegas meus a discutir o que fazer para tornar os jornais apetecíveis para os nativos digitais, eu abano a cabeça, explico-lhes que estão a tentar vender pentes a carecas – e recomendo-lhes que concentrem os esforços a fazer um produto bom para quem gosta e está habituada a ler jornais.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

32 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D