Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Os ricos que paguem a lavagem de reputação

Eli Broad, 77 anos, vai investir duas mil obras de arte e 300 milhões de dólares na eternização do seu apelido em livros, revistas, manuais de arte, guias turísticos e cabeças de pessoas cultas de todo o mundo, ao lado do de outros seus compatriotas, como JP Getty, Gertrude Whitney ou Solomon Guggenheim.

Com fortuna feita no imobiliário e seguros, Broad é desconhecido fora dos EUA e da alta roda dos negócios e da arte (está desde 1998 no top ten dos maiores coleccionadores mundiais de arte, elaborado pela ARTnews), mas acaba de comprar a emergência deste anonimato ao acordar com as autoridades de Los Angeles a instalação de um museu com a sua colecção na Grand Avenue, em frente ao MOCA (Museum of Contemporary Art) e ao lado do fantástico Walt Disney Concert Hall, riscado por Gehry.

A partir de 2012, o Museu Broad exporá em permanência 300 obras de uma colecção onde abundam os nomes que marcaram a cena dos anos 50 e 60 (Jasper Johns, Robert Rauschenberg, Claes Oldenburg, Wharhol e Lichtenstein), mas também de artistas contemporâneos e de LA, como Ed Ruscha e Mark Brandford.

Os termos do negócio são simples e públicos. Broad paga 7,7 milhões de dólares pelo aluguer do terreno, assegura a totalidade dos 100 milhões de dólares que custa a construção do edifício e oferece à fundação que vai gerir a instituição as duas mil peças da sua colecção bem como 200 milhões de dólares para suportar as despesas de arranque e funcionamento.

Ao ler esta notícia na primeira página dos Los Angeles Time lembrei-me logo dos contornos do negócio da colecção Berardo, e da deslumbrante sátira de Saramago, em As Intermitências da Morte, ao vício dos nossos empresários viverem debaixo das saias do Estado -  como as pessoas deixaram de morrer, as agências funerárias, “brutalmente desprovidas de matéria prima”, reivindicaram ao Governo “que tornasse obrigatório o enterramento ou a incineração de todos os animais domésticos que venham a defuntar”.

Feroz negociador, Berardo não gastou um tostão no aluguer do terreno nem na construção do edifício que alberga a sua colecção, emprestou ao Estado 862 obras, por um prazo de dez anos, mas ficou com uma opção de venda do espólio a um preço generoso previamente fixado, e não contribui com dinheiro para a manutenção do museu que imortaliza o seu apelido e a cuja Fundação preside.

Eu sei que os museus são as catedrais do século XXI, compreendo que empresários endinheirados usem a arte para lavarem a sua reputação e aceito que tentem libertar-se da lei da morte tatuando o apelido em museus – mas preferia que fossem altruístas, como Broad, e não fizessem a sua engenharia social à custa dos nossos impostos.

Jorge Fiel

Esta crónica foi publicada hoje no Diário de Notícias

 

21 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D