Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Sobre a necessidade de uma banda gástrica

Anda para aí uma data de gente que nunca o gramou. Assim de repente (e para além do pioneiro e inimputável Sousa Lara), estou a lembrar-me de Rio, que proibiu o Porto de ter uma rua com o nome ele, do presidente da Câmara de Mafra, que impediu uma escola de ser baptizada José Saramago, ou até do PR, que não achou necessário dar-se à maçada de estar presente no seu último adeus.

Mas olhem que vale bem a pena visitar as páginas que ele escreveu e deixar que alguns pedacinhos de sabedoria nos abram os olhos e inundem de luz, como por exemplo, o conselho contido no Ensaio sobre a Cegueira: “Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara”.

Eu olho para o Ministério da Educação e vejo o mistério do encerramento da EB 1 da Várzea de Abrunhais, em Lamego, que no ano passado foi premiada pela Microsoft e integrada na rede mundial das escolas inovadoras, com os seus alunos -  habituados a usar o Magalhães nas aulas, a um ambiente wireless e a um quadro interactivo – a serem transferidos para uma escola sem telefone nem Internet.

Eu olho para Ministério das Obras Públicas e vejo-o atolado no pântano da mal amanhada tentativa de introdução das portagens nas Scuts do Norte (que ainda ninguém sabe ao certo como vão ser cobradas), com a Estradas de Portugal à espera de recolher 53 milhões ainda este ano e o secretário de Estado Paulo Campos a dar-se por satisfeito se pingarem uns 15 milhões.

Eu olho para o Ministério das Finanças e reparo que ele é incapaz de controlar a despesa (entre 2005 e 2009 os gastos correntes do Estado cresceram 14,6 mil milhões de euros!) e cumprir o prometido a Bruxelas no PEC – apesar da regra de um carro novo por cada três abatidos e de se continuar a modernizar, o parque de veículos do Estado teima em manter-se estabilizado nas 28.793 viaturas.

Eu olho para o Governo e reparo que ele é declaradamente impotente para fazer emagrecer um Estado obeso e bulimico, com 14 mil instituições confortavelmente instaladas, com o guardanapo enfiado no colarinho e a faca e o garfo afiados, sentados à mesa do orçamento que nós financiamos, pagando cada vez mais impostos.

O nosso sistema está com Alzheimer. Atingiu um tal estado de desordem que não consegue gerar os factores que possibilitem a sua regeneração, se não mudarmos as bases da organização político-administrativa da nação.

Se apesar das auto-estradas do asfalto e de fibra óptica, o Governo não consegue ver ao longe, de Lisboa para Lamego, o melhor é regionalizar já todo o país e aproximar o poder dos cidadãos.

Se a barriga do Estado é tão grande que o Governo não consegue ver o chão que pisa, dieta e exercício físico já não são suficientes – é preciso uma banda gástrica.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

26 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D