Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

O pior cabo dos nossos trabalhos

Sou uma ilha rodeada de cabos por todos os lados. Para o meu dia fluir sem solavancos, preciso de ter uma tomada eléctrica por perto e os seguintes cabos de alimentação à mão de semear:

1. o do telemóvel;

2. os do computador portátil;

3. o que carrega o iPod;

4. o da bateria da máquina fotográfica;

5. o que faz o download das fotos da máquina para o computador;

6. o que faz o download dos ficheiros do gravador para o computador.

Desprovido destes cabos e de electricidade, a minha vida pode a qualquer momento transformar-se num inferno. E o grave é que não sou o único.

Mas o pior cabo dos nossos trabalhos não é esta terrível dependência de gadgets tecnológicos (inventados para nos facilitar a vida mas que acabaram por nos escravizar), mas sim o deplorável facto de estarmos nas mãos de um Governo que não faz a mínima ideia do que anda a fazer e tem uma noção de ética tão firme como uma teia de aranha cansada.

Com os céus internacionais tão carregados de nuvens, sinto-me aterrorizado por ser governado por um conjunto de gente que até pode ser bem-intencionada (já estive mais convencido disso, mas, no entretanto, o vermezinho da duvida pôs uma enfiada de ovos e sentou- -se em cima deles), mas é aflitivamente incapaz de impedir o País de caminhar para uma catástrofe de proporções bíblicas.

O que posso eu pensar da competência de um governo que no espaço de um ano aumenta os funcionários públicos em 2,9% e depois lhes reduz os salários em pelo menos 5%?

O que posso eu pensar da seriedade de um governo que no espaço de um ano desce o IVA de 21% para 20% para agora o aumentar para 23%?

O que posso eu pensar da credibilidade de um governo que no espaço de um ano divulga sucessivamente quatro diferentes valores para o défice: 2,9%, 4%, 7,9% e 9,4%?

O que posso eu pensar da honestidade de um governo que com a casa a arder dá-se ao luxo de gastar 400 milhões de euros a comprar a paz com os professores e deixa a despesa corrente do Estado aumentar quase 5% nos primeiros oito meses do ano?

O que posso eu pensar da coerência de um Governo que ganha duas legislativas jurando que o TGV e o novo aeroporto são essenciais para relançar o País na senda da prosperidade e que, sete anos depois, deixa cair estas obras, com excepção do TGV Lisboa-Madrid?

Citando o sábio Frei Fernando Ventura (em que eu seguramente votaria se ele se candidatasse a PR), não podemos continuar a responder a desafios novos com soluções velhas - é tempo de despedirmos os profissionais da política e colocar profissionais na política.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

18 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D