Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Miguel Reino

Filho de um alfaiate, ganhou os primeiros dinheiros com 13 anos ao balcão da Farmácia Miranda.  Aos 16, começou a trabalhar no Papagaio de Carriche, o restaurante do tio António. Aos 18, foi para o Brasil ter com o irmão João. Demorou-se um ano a pesar ouro e diamantes até se formar como chef  com os melhores cozinheiros franceses nos mais afamados hotéis do Rio. Estava feliz em Búzios, quando Bernardo, o irmão mais velho, precisou de ajuda para abrir um restaurante na Quinta do Lago. Ele e João meteram-se num barco e atravessaram o Atlântico à vela. A história resumida da vida extraordinária de um Jack Kerouac da cozinha

 

O Jack Kerouac da cozinha

que deitou âncora no Chiado

 

 

Nome:  Miguel Reino

Idade: 48 anos

O que faz: Chef de cozinha e dono do restaurante Aqui Há Peixe (R. Trindade 18 A, Lisboa)

Formação: Frequência do curso Hotelaria e cozinha da Universidade Estácio de Sá, no Rio de Janeiro

Família:  Casado com Mafalda, uma portuguesa que conheceu no Rio (e que no restaurante se ocupa de dois pelouros estratégicos – a caixa e os doces), de quem tem três filhos, Marina, 20 anos, que estuda Comunicação, Filipe, 16 anos, e Martinho, 11 anos, um ás do skate

Casa:  Andar na rua António Enes, em frente à Embaixada de Israel em Lisboa – “segurança não falta”

Carro:  Tem um Honda Accord e um Fiat Cinquecento, dos originais (“comprei-o por 500 euros e nunca me deu problemas”), mas usa-os pouco, poeque de dia anda de mota (Honda PCX) e à noite de táxi

Telemóvel: Blackberry

Portátil:  Mac Pro, “fartei-me da Microsoft, agora só quero Mac”

Hóbis:  Velejar e fazer fotografia (tem duas Leicas)   

Férias: Passam sempre uma semana no Algarve, em casa do irmão mais velho (Bernardo, aka Gigi). Este ano alugaram um barco em Palma da Maiorca e foram até Ibiza. Para o o ano planeiam voltar a fazer praia em Formentera

Regras de ouro: “Honestidade, humildade e qualidade”

 

Ter ficado órfão de mãe aos dois anos não é com toda a certeza um factor estranho à vida extraordinária e aventurosa que tem levado Miguel, o mais novo dos quatro irmãos Reino, nascido no Campo Pequeno, filho de Manuel, um alfaiate beirão com raízes na Aldeia da Ponte, povoação raiana que fica a pouco mais de um tiro de distância de Fuentes d’Oñoro, onde o IP5 desagua em Espanha.

“O pai tinha boa mão para a cozinha, para as sopas, os arrozes, o peixe frito. Apresentava-nos um prato diferente todos os dias. Nunca repetia”, recorda Miguel, cuja traquinice marcaria a adolescência. Aos onze anos, estava de férias na aldeia, e partiu as pernas ao cair desamparado do 1º andar. Foi sendo submetido a uma dúzia de operações, com óbvio prejuízo para o seu aproveitamento escolar. “Chumbei várias vezes”.

Ganhou os primeiros escudos aos 13 anos, dando uma ajuda ao balcão da Farmácia Miranda, mas o que o atraía era o laboratório das traseiras onde se manipulavam os medicamentos. Caprichou o destino que ele usaria o branco, mas a jaleca de cozinheiro e não a bata de farmacêutico, e que manipularia ingredientes – mas alimentos e não químicos.

A vocação revelou-se aos 16 anos, quando foi trabalhar para o Papagaio de Carriche, o restaurante do tio António, onde servia à mesa com uma simpatia que rendia (“o tio pagava-me 600 escudos/mês mas eu tirava um conto e 200 só em gorjetas”). Mas nem olhou para trás quando João (o irmão mais próximo dele, pois Bernardo, aka Gigi, é o mais velho), que em 75 emigrara para Rio de Janeiro, o desafiou-o a ir ter com ele.

No Brasil, a sua primeira ocupação foi pesar ouro e diamantes, vindos do garimpo no Mato Grosso, por conta de uma empresa de mineração em que o irmão tinha interesses. Um ano volvido, meteu-se a aprender a cozinhar à séria para poder tomar conta do restaurante de uma pousada que João comprara em Búzios. Após um primeiro estágio com o chef Claude Troigros no Le Petit Truc, passou pelas cozinhas do Sheraton e do Rio Palace, completando a formação na Universidade Estácio de Sá.  

Levou uma vida boa a velejar em Búzios e cozinhar no Adamastor (assim se chamava o restaurante da pousada) até que Bernardo resolveu arquivar a carreira de corretor de seguros e abrir na Quinta do Lago o que seria o célebre Gigi.

João e Miguel meteram-se num veleiro e atravessaram o Atlântico (“cozinhei uma feijoada à brasileira para comemorar a passagem do Equador”) para ajudarem o mano mais velho a montar o restaurante . “O João tratava da caixa, o Bernardo era o Relações Públicas, e eu ocupava-me da cozinha”.

De então para cá, nunca mais parou. Sofreu um choque térmico quando se estabeleceu com um restaurante na Várzea de Sintra. Teve uma loja de crepes no Cascaishopping. Começou a viciar-nos numa novidade chamada picanha a partir de uma casa nas Janelas Verdes. Foi para a Comporta onde se demorou até considerar descabida a renda que lhe pediam. Ainda torceu o nariz a uma oportunidade que lhe ofereceram no Nordeste brasileiro, antes de passar um mês e meio a sofrer com o frio (“para gelar uma garrafa bastava pô-la cinco minutos cá fora”) em Cortina d’Ampezzo.

Após uma volta a Europa a bordo de auto-caravana, decidiu deitar âncora em Lisboa e abrir o Aqui Há Peixe, no Chiado.“ Só preciso de tachos, lume e matéria prima. Após 30 anos fora, estou a adorar estar em Lisboa. O que vou fazer a seguir? Sei lá! Eu sou um cigano”, conclui.

 

Jorge Fiel

 

Esta matéria foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

5 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D