Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Joana Pimenta Godinho

O misterioso desaparecimento de enxames inteiros está a preocupar a comunidade científica internacional, que baptizou de Síndrome do Colapso das Abelhas (Colony Collapse Disorder) este fenómeno, ainda sem uma explicação cabal.

A varroa, um parasita que ataca as colmeias, e as antenas de telemóveis, cujas ondas podem desorientar a abelhas nos 40 voos diários que fazem para colectar néctar e pólen,  são os principais suspeitos deste estranho síndrome que tira o sono aos cientistas. O caso não é para menos.

“Metade do que comemos depende da polinização das abelhas, que são também fundamentais para a preservação da biodiversidade. Se entrassem em vias de extinção seria uma catástrofe para a humanidade”, afirma Joana Godinho, 53 anos, engenheira agrónoma, professora na Escola Superior Agrária de Santarém e estudiosa das abelhas.

Senhora de um sotaque que denuncia ter nascido e crescido na Granja, na raia alentejana, onde cria bezerros, Joana escolheu almoçarmos no restaurante da pateira (actualmente deserta de patos) da Tapada da Ajuda, que acolhe a Escola Superior de Agronomia (onde ela se formou  há 30 anos exactos) e o Posto Apícola Nacional.

Do bufete trouxe uma sopa, filetes de pescada (com migas e salada), e mousse de manga. Comeu tudo frio e à pressa, pois o entusiasmo com que falava dos hábitos e proezas das abelhas fazia esquecer-se de que tinha comida no prato, numa refeição que contou com participações esporádicas de um professor de Zootecnia, que almoçava na mesa ao lado e nos contou um truque.

No seu pomar algarvio onde tem uma colmeia, quando quer que as abelhas polinizem os dez hectares de ameixas, o professor Ortega pulveriza as laranjeiras com óleo de peixe. “É a polinização dirigida. A flor da laranjeira atrai não só pelo aroma mas também porque é mais doce. Há quem pulverize com açúcar para chamar as abelhas”, esclarece Joana que começou a carreira a matar ratos.

Mal conclui a licenciatura, foi contratada pelo Governo dos Açores para dizimar os ratos que são o maior perigo para a saúde pública na região. “O problema é que os roedores dos campos também vão comer as rações de farinha de milho que são postas no campo para alimentar as vacas que fazem a vida toda cá fora”, explica a agrónoma , que durante dois percorreu todas as ilhas do arquipélago (Corvo incluído), a organizar a matança dos ratos.

A pouca atenção que em Portugal é dada às abelhas deixa muito triste Joana, que lamenta já não haver uma cadeira de Apicultura no curso de Agronomia e restarem apenas 650 apicultores profissionais, apesar das nossas potencialidades naturais numa área em que somos o 5º maior produtor europeu  - Espanha e Grécia são os dois primeiros. Sul, sol e flores são vantagens comparativas quando se trata de produzir mel.

“A apicultura deveria ser acarinhada. Produzimos mel de boa qualidade de muitas variedades, porque temos muita floresta e um quarto do território está protegida”, diz, acrescentando que os alemães (que tem um consumo anual de quatro kgs per capita, quatro vezes superior ao português) adoram o nosso mel de eucalipto, que importam em enormes quantidades.

A super-organização das abelhas é estudada e adaptada por diversas disciplinas,  desde a Arquitectura à Matemática, passando pela Sociologia. Recentemente, um estudo de investigadores da escola de Biociências da Royal Holloway, em Londres, concluiu que as abelhas conseguem estabelecer o percurso mais curto entre as flores onde pousam, resolvendo de forma eficaz o problema do caixeiro viajante (o processo matemático de determinar o circuito mais curto que é possível efectuar entre determinadas cidades de modo a que cada cidade seja visitada apenas uma vez) um dilema que os computadores podem demorar dias a resolver 

"As abelhas são um modelo de eficiência energética. Para economizarem tempo e energia escolhem sempre a trajectória mais curta. E a optimização do espaço nos seus favos hexagonais é admirada pelos arquitectos”, concluiu Joana, que, apesar de ter começado a carreira a matar ratos e de estar fazer um doutoramento nas doenças da couves, é uma apaixonada pelas abelhas.

Jorge Fiel                                       

Esta matéria foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

Menu

A Pateira da Tapada

Tapada da Ajuda, Lisboa

2 Ementas do dia

Sopa

Filetes de pescada com migas e salada

½ de tinto alentejano Condado das Vinhas

Mousse de manga

2 cafés

Total:  25,00 euros

 

 

Curiosidades

 

A Granja, a aldeia alentejana de 746 habitantes onde Joana nasceu e mantém casa e terras, fica mais perto de Villanueva del Fresno (a localidade onde a PIDE matou Humberto Delgado),  do que de Moura, a sede do concelho

 

Um enxame de 70 mil abelhas, incluindo uma rainha e uma a duas centenas de zangões (que só servem para fecundar a abelha rainha, após o que são mortos), custa cerca de 70 euros e pode produzir anualmente cerca de 30 quilos de mel

 

O mel era o único adoçante usado entre nós, antes dos Descobrimentos portugueses darem a conhecer à Europa a cana de açúcar e a beterraba, pelo que é um ingrediente básico de toda a doçaria conventual. O mel de rosmaninho é o mel mais apreciado por Joana e uma das muitas variedades e produzidas no nosso país  - laranjeira, castanheiro, medronheiro, eucalipto, etc

 

5 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D