Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Reflexões do 128949/77

Cresci anti-militarista, tal como o ministro da Defesa e a esmagadora maioria dos rapazes que atravessaram uma adolescência inquieta pela perspectiva de sermos mobilizados para combater uma guerra injusta. Ao contrário do ministro da Defesa, fiz a tropa - 16 meses passados entre Mafra e a Madeira, os únicos em que fui funcionário público.

Duvido que a tropa tenha feito de mim um homem e nunca saberei ao certo o que teria sido a minha vida se não sido obrigado a cumprir o serviço militar - ou me tivesse declarado objector de consciência.

Duvido que a tropa tenha feito de mim um homem mas aprendi muito com ela. Aprendi que os limites da minha resistência física e psicológica eram bem mais dilatados do que supunha. Aprendi a obedecer e a valorizar a disciplina, Aprendi as manigâncias do tiro curvo e do tiro tenso (a minha especialidade foi Anti-carro e Morteiro Médio).

Aprendi também que as horas gastas a estudar o cálculo de trajectórias foram um desperdício, pois não usei essa sabedoria durante o ano que passei no Funchal a fazer coisas tão diversas como dar recruta a um pelotão de condutores, ser capataz incompetente da edificação de um muro no campo de futebol do quartel (soube depois que ruiu) e a investigar a história do regimento.

O que mais lamento daqueles 16 meses foi o preço, em tempo e fígado, que paguei pelo que aprendi e não ter aproveitado para me iniciar no bridge.

A tropa é uma experiência intensa, que nos fica tatuada no carácter (hesito quando me perguntam a matrícula da carrinha Marea que tenho há dez anos, mas ainda sei de cor o número mecanográfico: 128949/77) e adormeceu o meu anti-militarismo, que ficou em banho maria, até ser reactivado por uma salva de disparates, o primeiro dos quais foi a compra, envolta em fortes fumos de corrupção, de dois submarinos por mais de mil milhões de euros.

A minha alma fica parvo quando vejo o TGV para o Porto e Vigo ser metido na gaveta e ouço o ministro da Defesa afirmar, sem se desmanchar a rir, que o Governo mantém o investimento de 1.500 milhões de euros no reequipamento da Força Aérea, iniciado com a compra à Holanda, por 200 milhões de euros, de cinco aviões em segunda mão.

O meu espírito fica baralhado quando leio que a GNR quer ter uma Marinha privativa e assisto à trapalhada da compra pela PSP de cinco blindados (só dois devem chegar a tempo da cimeira da Nato), quando se sabe que a GNR tem 13 blindados disponíveis e com provas dadas no Iraque.

Vejo, ouço, leio, sei e confirmo que não podemos esperar nada de bom dos partidos do arco governamental, pois Brecht estava carregadinho de razão quando escreveu que só quando estamos imbuídos da realidade é que podemos mudá-la.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

18 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D