Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

A cafrealização de Vara e outras histórias

No tempo das notas verdes de 20 escudos com a fronha do Stº António, fui vítima de uma daquelas injustiças em que a nossa Justiça é fértil - e tive de pagar uma multa de 20 contos.

Foi assim. A audiência estava marcada para as 9h30 nos Juízos Criminais, na rua do Bolhão. Respeitador e obediente, uns minutos antes da hora já lá estava, junto à 3ª secção do 2º juízo, à espera da chamada, prevenido com um jornal pois, como todos sabemos, tribunais e hospitais são catedrais da espera.

Seriam umas dez horas quando estranhei a ausência de acção. “Mas este processo não é aqui!”, respondeu-me a menina do guichet, abanando a cabeça enquanto me apontava no papel: era na 2ª Secção do 3º Juízo e não a 3ª Secção do 2º Juízo.

Era tarde e Inês estava morta! Quando me apresentei no juízo certo, já a chamada fora feita, o julgamento adiado – e eu constava da lista dos faltosos. Contei ao oficial de justiça a triste história da minha confusão de juízos. Ao fim e ao cabo eu tinha estado à hora, só que no sítio errado. Com a capa negra pelos ombros, ele ouviu-me, com condescendência. Não prometia nada. Eu que esperasse a ver o que o juiz dizia.

Nada feito - anunciou-me 20 minutos depois. O juiz tinha-o mandado dizer-me que arranjasse um atestado. Como além de amigos médicos também tenho vergonha na cara, preferi pagar os 20 contos.

Não sei se foi para dar seguimento a idêntica sugestão de um juiz da Face Oculta que na 5ª feira passada o camarada Armando Vara irrompeu num Centro de Saúde de Lisboa, passou à frente de toda a gente e pediu a uma médica que lhe passasse um atestado, respondendo que estava com pressa, pois corria o risco de perder o avião, quando ela o criticou por ter entrado no seu gabinete sem ser chamado.

A directora do Centro de Saúde censurou o comportamento de Vara, classificando-o de “situação de abuso inconfundível”. Eu estou de acordo, apesar do ex-ministro poder invocar, como atenuante das péssimas maneiras evidenciadas, o facto de estar exposto a um processo acelerado de cafrealização, já que após ter sido obrigado a deixar a administração do BCP arranjou emprego como lóbista dos negócios africanos da brasileira Camargo Corrêa – a coisa está a correr bem, acaba de ganhar a empreitada, no valor de 1,75 mil milhões de euros, de uma barragem no Zambeze (se calhar era para Maputo o avião que Vara não queria perder)

Todas as histórias têm uma moral. Esta tem várias. A cafrealização não chega para justificar o seu lamentável comportamento de Vara. A médica devia ter-se recusado a passar o atestado. Mas a principal moral é que pior que viver acima das nossas possibilidades é vivermos abaixo das mais elementares regras de educação e civismo.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

17 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D