Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

O importante na vida não se pode copiar

Nunca fui de copianços. Não por qualquer tipo de objecção ética, moral ou filosófico, mas apenas por falta de jeito. No capitulo de infracções, transgressões e contravenções a história da minha vida confunde-se com a do Sporting – se uma coisa pode correr mal é certo e sabido que vai correr mal. 

Uma vez, na aula de Latim, estava eu a começar a ler, todo lampeiro, a tradução de um texto quando a professora me interrompeu. Queria saber porque é que eu estava a traduzir a lição da véspera e não a do dia, como ela tinha pedido. Só nessa altura percebi que sido tramado pela Fátima, a colega que por maldade me passou a tradução errada, quando eu lhe pedi socorro logo a seguir a ter sido chamado pela professora.

Não vale a pena perder mais latim a contar episódios trágico-cómicos da minha falta de jeito para o copianço. Na véspera dos exames, em desespero, eu manufacturava sempre cábulas em pequenos rolos de papel, que apesar nunca as chegar a usar acabavam por se revelar úteis, pois ia aprendendo o que não sabia ao escrever essas sínteses.

Não me incomoda o recurso ao copianço pelo pessoal da escolaridade obrigatória, aquela fase em que andamos por aí disfarçados de estudantes a curtir a vida à custa dos nossos pais e em que, para manter o disfarce, somos obrigados a apresentar resultados escolares. Mas já não posso aceitar o copianço em doutoramentos, como agora se descobriu ter acontecido nas teses de uma professora do Politécnico do Porto e do ministro alemão da Defesa.

Cerca de 70% dos universitários portugueses copiam nos exames e só 2,4% foram apanhados, de acordo com trabalho (inédito) de Aurora Teixeira, professora da Faculdade de Economia do Porto, que inquiriu 5403 alunos de 400 cursos e uma centena de escolas.

Tudo isto dá que pensar. A vergonha pública por que passaram a professora portuense e o ministro alemão devia ser extensível aos júris e orientadores das suas teses de doutoramento. Mal vai o ensino em que copiar compensa, pois na vida o que é importante não se pode copiar. Pode copiar-se no Código, mas ninguém pode copiar o exame de condução. Ou se sabe guiar ou não.

As escolas deviam ensinar os alunos a pensar e equipá-los com ferramentas para se desembrulharem na vida real. No meu curso de História aprendi a relacionar os factos políticos, económicos, sociais e culturais; a ler os sinais dos tempos; a interpretar as movimentações numa comunidade; a ouvir o que não está a ser dito; a saber que o que acontece primeiro não é necessariamente o princípio; a deixar o silêncio falar; a decifrar os significados ocultos de algumas palavras. Nada disto - que realmente importa para um jornalista como eu - é susceptível de ser copiado.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

35 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D