Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

A angústia do jogador na mesa do blackjack

Sabem jogar ao blackjack? É mais ou menos como o sete e meio, só que a pontuação máxima é 21 (se fizer mais, o jogador rebenta), as figuras valem dez, o ás pode ser contabilizado como um ou 11, enquanto as cartas de dois a dez respondem pelo valor nominal. As outras diferenças são de status. O blackjack é um dos musts dos casinos, enquanto o sete e meio é um passatempo de adolescentes ou uma alternativa ao dominó para os reformados. No sete e meio quem faz de banca é o dono do baralho (ou o irmão mais velho), enquanto que no blackjack esse papel é cometido a um profissional (o dealer).

Nunca joguei blackjack no pano verde e sempre pensei que era um jogo de sorte pura até que no último Verão o meu filho Pedro recebeu lições (gratuitas) desta matéria no Venetian, em Las Vegas, e me convenceu que há uma estratégia delineada a partir do cálculo científico das probabilidades que o jogador tem de alcançar uma pontuação superior à banca - ou de obrigar o dealer a rebentar. Simplificando, a teoria recomenda que se parta do princípio de que há uma grande probabilidade de a carta escondida do dealer valer dez ou 11. Daí que se aconselhe o jogador a ficar se tem 16 e a carta aberta do dealer é dois, três, quatro ou cinco - ou a pedir mais uma carta se o dealer tem uma figura ou ás virados.

Bem vistas as coisas, há uma data de situações na vida (como a escolha da mulher ao lado de quem queremos envelhecer) em que estamos na situação do jogador de blackjack. Recebes duas cartas, um rei e um três. Tens 13. Pedes mais uma carta, sai-te um cinco. Jogas pelo seguro, e ficas-te pelo 18, ou vais tentar o 21, mesmo que haja uma enorme possibilidade de rebentar? Esta angústia do jogador de blackjack não pára de atormentar Passos Coelho, que tem uma série de gente a gritar-lhe ao ouvido conselhos opostos e ele hesita entre pedir mais uma carta, provocando eleições e arriscando-se a rebentar com o ónus da responsabilidade do desembarque do FMI - ou jogar pelo seguro, ficando com o jogo (um 18 ou 19, na minha opinião), na esperança de que seja o dealer Sócrates a rebentar.

Quem incita Passos a pedir mais uma carta são os boys sem freios nos dentes, sequiosos do regresso ao poder, como Catroga e Capucho. A aconselhar-lhe calma estão vozes laranjas mais desinteressadas (Pacheco Pereira e Nuno Morais Sarmento) e os empresários, que falaram pela boca de Ricardo Salgado ("Na situação actual é muito complicado ir a eleições"). A decisão é difícil. O líder do PSD sabe que se perder fica sem o lugar à mesa de jogo (Santana já conspira e relançou o nome de Rio). Mas, se estivesse no lugar dele, eu ficava - não arriscava pedir mais uma carta.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias

 

26 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D