Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Joana Roque do Vale

 

Estava escrito nas estrelas de que ia ganhar a vida a transformar as uvas em vinho. Nasceu em Lisboa, cresceu entre Torres Vedras, Évora e Beja. Agora vive em Vila Real e não raros são os dias em que faz mais de mil quilómetros ao volante da sua carrinha Passat. Uma breve história da vida enóloga da Roquevale

 

A nómada que não escapou

ao destino de viver do vinho

 

Nome:  Joana Roque do Vale

Idade: 37 anos 

O que faz: Enóloga e directora de exportação da Roquevale

Formação: Licenciada em Engenharia Alimentar, pela Escola Superior Agrária de Beja, fez dois estágios na Escola de Enologia de Bordéus 

Família: Casada, tem dois filhos, o Artur, nove anos, e o Pedro, sete

Casas: Moradias em Vila Real e Évora

Carro:  Carrinha VW Passat que já fez mais de 330 mil quilómetros desde que a comprou em Dezembro de 2003

Telemóvel:  Samsung

Portátil:  Toshiba

Hóbis:  Não tem tempo para hóbis. Descontrai aos fins de semana na quinta da família, em Torres Vedras, em reuniões de amigos   

Redes Sociais: “Tenho resistido muito a aderir. Uso o Skype para falar a adega e o estrangeiro”

Férias:  Passa sempre a primeira quinzena de Agosto numa casa que a família tem  na praia da Luz (Algarve), a menos de cem metros do mar. “Aproveito para não pegar no carro durante 15 dias”

Regra de ouro: Máxima liberdade, máxima responsabilidade – tanto em casa como no trabalho

 

Apesar de ser uma força de expressão, pode muito bem escrever-se que Joana nasceu com o vinho a correr-lhe no sangue. Os bisavôs, do lado materno, já faziam vinho, que comercializavam com as marcas Casal do Castelão e Quinta Manjapão. Ela ainda se lembra do avô, com 86 anos, andar com o carro carregado de caixas de vinho para venda. E ela tinha dez anos quando os pais transformaram a quinta alentejana da família (a Herdade da Madeira, no Redondo) na base de operações da Roquevale, famosa pelos vinhos Tinto da Talha e Terras de Xisto.

Joana nasceu em Lisboa, no último ano antes do 25 de Abril, mas cresceu e fez-se mulher entre Évora, Torres Vedras e Beja. A sua actual geografia de vida não é muito mais simples, pois apesar da sua primeira residência ser em Vila Real, mantém quartos com a cama feita (e uma escova de dentes na casa de banho) em Lisboa, Torres Vedras e Évora.

Este nomadismo, que só pode atrapalhar os técnicos do INE encarregados do Censos, obriga-a passar longas horas ao volante da sua Passat. “Há dias em que chego a fazer mil km”, confessa.

Para ela, férias grandes foram sempre sinónimo da azáfama das vindimas, pelo que se pode dizer que estava escrito nas estrelas que iria ganhar a vida a transformar as uvas em vinho. Mas ainda resistiu. ”Para ter outras saídas”, quando acabou o secundário, em vez de ir para lá do acidentado Marão, fazer o Enologia na UTAD (Vila Real), preferiu quedar-se pela planície alentejana e cursar Tecnologia das Indústrias Agro-Alimentares, onde estudou vinhos mas também azeite, conservas, etc.

Mas o vinho não a largou. No final do curso, o estágio curricular levou-a até à Herdade do Esporão, “era uma das adegas tecnologicamente mais evoluídas”, onde trabalhou na vindima de 1995, aprendendo com enólogos famosos como David Baverstock, Luis Duarte e Richard Mayson. E rendeu-se ao seu destino.

Aperfeiçoou em Bordéus os seus conhecimentos, antes de finalmente começar a trabalhar com o pai, na Roquevale, a ganhar 60 contos/mês. “Fazia de tudo. Andava com as mangueiras às costas, subia às cubas, carregava as sacas de ácido tartárico…”, recorda.

Na altura eram menos de meia dúzia e faziam 200 mil litros de vinho/ano. Hoje são 34 empregados permanentes e produzem anualmente três milhões de litros. Esta viagem foi pilotada por Joana, que, no entretanto, casou, completou em Beja a licenciatura em Engenharia Alimentar, teve o seu primeiro filho (o Artur, que andava com ela para todo o lado, adega incluída), acumulando as funções de enóloga com as de directora comercial para os mercados externos.

A Roquevale inovou ao fazer o bag-in-box com a marca Alecrim (“Poupam-se seis garrafas, seis rolhas e pode estar dois/três meses aberto e não se estraga”), alargou o portefólio de marcas e cresceu na exportação (onde escoa 23% da produção, sendo que Brasil e Macau são os principais mercados).

Entretanto os pais reformaram-se e foram viver para a Herdade da Capela, em Pias, e como, não conseguiam estar quietos, logo fizeram um vinho, o Monte da Capela, onde Joana dá uma mão.

“Sempre gostei mais de tintos do que de brancos”, confessa Joana, acrescentando que o seu próximo desafio é fazer um vinho com o marido (o enólogo transmontano Luís Soares Duarte), “uma coisa pequena, para dar e vender aos amigos, não é para fazer negócio” - e declarando não estar preocupada com a conjuntura económica: “Nas alturas de crise bebe-se mais vinho”.

Jorge Fiel

Esta matéria foi hoje publicada no Diário de Notícias

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D