Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Rerum Novarum 2.0

 

Dou-me muito bem com o hábito do banho diário. Passam-se anos sem tomar um banho de imersão (talvez não fosse assim se tivesse uma daquelas  banheiras modernas com jacuzzi), mas não dispenso o duche matinal, rápido, mais para o frio do que para o tépido, com um jacto forte  - detesto quando, por falta de pressão, a água sai a pingar.

O duche diário (que pode ser bidiário quando, no fim de um dia quente, chegámos pegajosos a casa) até pode mau para a pele, como argumentam alguns dermatologistas. Mas é óptimo, e não só do ponto de vista higiénico. É um auxiliar tão precioso como o café no milagre da nossa ressurreição diária após uma noite dormida a correr. E, confesso, dá-me muito prazer sentir a água a escorrer-me pelo corpo.

A componente voluptuosa do duche não passou despercebida ao cardeal Segura, arcebispo de Sevilha durante a guerra civil, que considerou o banho como “uma invenção dos pagãos, senão do próprio diabo”.

Apesar desta declaração desassombrada, estou em crer que a Igreja Católica recomenda aos fiéis a prática regular do banho. Desde esses tempos bárbaros, em que os legionários pró-franquistas (a trincheira de Segura) gritavam “Viva la Muerte!”, o mundo mudou muito e o Vaticano vai-se esforçando por acompanhar essa evolução, se bem que nem sempre os homens da Igreja consigam estar em sintonia com os novos tempos.

Parece-me mal que o antagonismo do cardeal patriarca ao bispo do Porto o tenha levado a criticar publicamente D. Manuel Clemente por ter aceite o Prémio Pessoa – e a transformar numa espécie de réplica das eleições do Sporting a escolha para a presidência da Conferência Episcopal Portuguesa.

D. José Policarpo não esteve bem ao forçar a sua eleição (à terceira volta!) para um lugar que já ocupara (1999-2005), jogando o prestigio do seu cargo para derrotar a candidatura do bispo do Porto, provocando uma dispensável tensão Norte/Sul na igreja e envolvendo-se numa manobra lida como de pressão para que o Vaticano lhe prolongue por mais três anos o mandato como patriarca de Lisboa, apesar já ter atingido a idade da reforma canónica (75 anos).

Tive uma educação católica, mas na adolescência afastei-me de uma igreja incapaz de dar respostas ao vendaval de coisas novas que a partir dos anos 60 começaram a abalar o mundo a uma velocidade estonteante – e que teima em não abrir de princípios bolorentos, como a discriminação da mulher e o celibato dos padres.

Ao fim e ao cabo, como poderia olhar para D. José Policarpo como um modelo, se ele é incompleto, por ser solteiro e nunca ter vivido com uma mulher. Porque viver com uma mulher é uma das coisas mais difíceis que um homem tem de aprender nesta vida.

A Igreja está mesmo a precisar de uma encíclica Rerum Novarum 2.0.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Diário de Notícias 

1 comentário

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D