Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

O maravilhoso mundo dos porcos

“Qual é o nome deste animal?”, perguntou, espantado, o explorador James Cook ao ver um animal a deslocar-se aos saltos. “Kangooroo”, respondeu-lhe o nativo australiano, o que no seu dialecto queria dizer “não compreendo”. Foi deste equívoco linguístico que nasceu o nome comum desta espécie simpática.

Ao invés do canguru, o porco e o burro não tiverem sorte nenhuma com o baptismo, o que tem marcado  muito negativamente a existência destas duas classes de mamíferos pelas quais nutro uma enorme admiração.

Sei que o carinho que me inspiram burros e porcos se deve em boa parte ao complexo de Robin Hood que me habita desde pequenino e levou a que na infância sonhasse ser veterinário e na adolescência devorasse o essencial das obras de Marx (com excepção do inabordável Capital, o que me obrigou a aprender em vulgatas as bases económicas da teoria económica marxista), Lenine e Trotsky, para ficar apetrechado a integrar a vanguarda da revolução que poria termo às injustiças e desigualdades – e construir um mundo melhor.

Se eu e os revolucionários da minha geração não tivéssemos falhado estrondosamente esta tarefa, estou seriamente convencido que nesse mundo melhor se procederia a um rebranding dos burros, rebaptizando-os com um nome que fizesse justiça à sua imensa capacidade de trabalho e humildade, e dos porcos – relevando o papel absolutamente fundamental que eles têm nossas vidas.

A ternura que os porcos me inspiram, leva-me a acompanhar os desenvolvimentos da investigação científica sobre estes animais que constituem a matéria de um sem número de divinais iguarias, como o leitão assado, presunto, rojões, etc.

O hábito dos porcos se rebolarem na lama era explicado pela necessidade de manterem a pele fresca, pois não têm glândulas sudoríparas. Ora um estudo de um cientista holandês, publicado no Applied Animal Behavior Science, lança uma nova luz sobre a matéria ao garantir que os porcos se rebolam na lama para serem mais sexy (tal como as mulheres se maquilham ou os homens se perfumam) e assim atraírem os parceiros para a reprodução.

Na semana passada, cientistas sul-coreanos concluíram com sucesso a modificação genética de um porco de modo a aumentar as probabilidades de usar os seus órgãos em transplantes para seres humanos e diminuir as probabilidades de rejeição.

Partilho estas informações na esperança que elas vos ajudem a olhar de outra maneira para os porcos e a compreenderem porque é que às vezes, ao ler no nosso JN o relato de alguns actos cometido por membros da raça humana, me dá vontade de adaptar a famosa frase de Madame De Stael e desabafar: “Quanto mais conheço os homens, mais gosto dos porcos”.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Jornal de Notícias

 

99 comentários

Comentar post

Pág. 1/6

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D