Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Fazer da tristeza graça

NUNCA me agradou o acto de proibir, mas ficaria satisfeito se a Póvoa de Varzim e outras câmaras seguissem o exemplo luminoso das de Viana e Braga e proibissem a realização de touradas

A única Tourada de que gosto é a de Ary dos Santos, assim mesmo , com t grande, pois trata-se do nome da canção que, na voz de Fernando Tordo, venceu o Festival RTP da Canção de 1973: "Não importa sol ou sombra, camarotes ou barreiras, toureamos ombro a ombro, as feras".

Um dos poetas maiores da geração de O' Neill, Natália Correia, David Mourão-Ferreira e Alegre, José Carlos Ary dos Santos (1937-84) dedicou-se a biscates diversos (entregador da Sociedade Nacional de Fósforos, vendedor de máquinas de pastilhas elásticas, escriturário do Caino do Estoril) antes de estabilizar a vida como publicitário.

Foi no mesmo Festival RTP da Canção que o retirara do anonimato em 1969 (com o poema Desfolhada, cantado pela outrora portentosa voz de Simone de Oliveira), que Ary causou polémica com Tourada, um poema ousado, onde usava a terminologia tauromáquica para, com a sua ironia mordaz, fazer uma chicuelina ao lápis azul da censura, criticando o regime marcelista e passando uma mensagem de esperança na proximidade da mudança: "Com bandarilhas de esperança, afugentamos a fera , estamos na praça da Primavera".

Gosto muita da Tourada (e de muitos outros poemas de Ary) mas nunca suportei a tourada. A embirração começou ainda eu era cachopo, nos tempos da ditadura do canal único e a preto e branco da RTP, quando nove em cada dez vezes a misteriosa Reportagem do Exterior anunciada para a noite de quarta feira se revelava uma maçadora tourada, em vez do desejado jogo de futebol.

Depois, quando comecei a politizar-me, racionalizei o ódio à crueldade das corridas de touros, uma luta desigual entre homem e animal, onde os espectadores se divertem e aplaudem cavaleiros e toureiros que fazem judiarias ao bicho, espetando-lhe ferros e bandarilhas no lombo.

Com a excepção da pega, o único momento de igualdade deste triste espectáculo (apesar do touro estar cansado da lide e a perder sangue), é tudo muito mau, até a idiosincrasia portuguesa de proibir o touro de ser morto na arena - uma rematada hipocrisia já que o animal é abatido logo após a corrida.

É muito nosso este tique d e adorar comer frango assado, massa chinesa com galinha ou caril de frango, nas não suportar sequer presenciar o "horrível" acto de cortar o pescoço à galinha - "que falta de gosto!".

Nunca me agradou o acto de proibir, mas ficaria satisfeito se a Póvoa de Varzim e outras câmaras seguissem o exemplo luminoso das de Braga e Viana do Castelo e proibissem a realização de touradas.

Nesta esquina da vida em que fomos apanhados, devemos inspirar-nos na única Tourada de que gosto, e, como nos aconselha Ary, "pegar o mundo pelos cornos da desgraça - e fazer da tristeza graça".

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Jornal de Notícias

1 comentário

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D