Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Eram pr'aí cinco e pico

No baile da D. Ester, foram dar com o chauffeur a dançar com a criada, enquanto a D. Inês, sequiosa, não resistiu ao whisky e partiu a coluna ao dançar o twist. Como uma desgraça nunca vem só, o D. José de Vicente, que é de S. Pedro da Cova, foi parar ao hospital depois de escorregar no soalho a dançar a bossa-nova.

Os mais velhos reconhecerão nesta sucessão de episódios o mais magnífico dos megaêxitos do Conjunto António Mafra, de que eu tomei emprestada a letra.

Voltei a ouvir o "Eram pr'aí sete e pico" na sessão de Discos Pedidos, em que a combinação iPad/YouTube fez de jukebox, que animou a nossa noite de sábado no Zavial, onde há mais de 15 anos passo a última quinzena de Agosto numa pequena casa, a não mais de 300 metros da areia.

A transparência cristalina da água do mar compensa amplamente o facto dela ser bem mais fria que a das mais concorridas praias do Sotavento algarvio.

Um areal asseado e desimpedido, que nos dispensa de estender a toalha a menos de dez metros do ser humano mais próximo, ajuda--nos tolerar o vento que às vezes pode ser chato.

E de bónus, recebemos ainda o zurrar dos burros, a bênção de noites estreladas que fariam Van Gogh morder-se de inveja, o doce aroma das figueiras onde petiscamos na ida e regresso das praias, e o coro monocórdico das cigarras.

A tranquilidade deste pedaço do Algarve intocado pela Via do Infante foi perturbada pela notícia do avistamento de tubarões, que forneceu ao Zavial Via Verde para os telejornais e a capa da imprensa sensacionalista.

Eram para aí cinco e pico quando alguém viu uma barbatana no mar, a uns 300 metros do areal. Foi o tempo de um fósforo até à praia estar toda de pé, a testemunhar o rápido desaparecimento da misteriosa barbatana.

Os nadadores-salvadores aconselharam prudência aos banhistas - que nem por isso deixaram de dar os seus mergulhos - e comunicaram o ocorrido às autoridades marítimas, enquanto que na praia se debatia o formato da barbatana - era de golfinho ou de tubarão? - e se exibiam os conhecimentos aprendidos no filme que catapultou Spielberg para a fama.

Nas horas seguintes, deu-se a matéria suficiente para o ditado "quem conta um conto acrescenta um ponto" ser convertido em tese de doutoramento, e o país foi (mal) informado de que dois tubarões, com quatro metros, foram avistados junto ao areal, no Zavial, gerando o pânico generalizado dos banhistas e obrigando à evacuação da praia - um relato ainda menos rigoroso e preciso que a indicação das horas (eram pr'aí sete e pico, oito e coisa, nove e tal) dos infaustos acontecimentos do baile da D. Ester, que terminou abruptamente quando faltou a luz, gerou-se a confusão natural, e a Locas, ao ver-se nos braços do Amaral, gritou aflita: Acendam o castiçal!

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Jornal de Notícias

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D