Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Facilitem-me a ida às compras

Sou uma minoria no género masculino. Gosto de ir às compras. Mas não a todas as compras. Não me convidem para experimentar roupa nos apertados gabinetes de prova das lojas. O que eu faço com muito prazer são as compras para abastecer a dispensa e o frigorífico.

Não compro tudo no mesmo sítio. As compras para o mês - do tipo arroz, esparguete, leite, manteiga, azeite, cereais, mel, etc - faço-as no Continente. O marketing da Sonae fidelizou-me com o cartão de descontos.

Depois retoco o abastecimento entre o Pingo Doce (o papel higiénico e o sumo de cenoura/laranja são muito bons), o Lidl (a relação qualidade/preço do mozarella fresco é imbatível) e o Supercor, onde a fruta é regra geral melhor (se bem que mais cara) e me perco com alguns pequenos mimos, como a azeitona kalamata ou os pimentos recheados com queijo.

Não foi preciso a Lehman Brothers abrir falência e mergulhar o mundo nas ondas de incerteza em que vamos sobrevivendo, esforçando-nos por manter a cabeça fora de água, para eu me converter à compra de marcas brancas, onde a oferta das grandes cadeias de distribuição já é muito excelente, não só em quantidade mas também em qualidade.

Agora acabo de tomar a decisão de me tornar um comprador ainda mais inteligente. Além do preço e da qualidade, a origem dos produtos vai passar a pesar muito mais no momento de escolher o que transfiro da prateleira para o carrinho.

A decisão tem efeitos imediatos. Da próxima vez, não vou poupar dois ou três cêntimos por litro se isso significar correr o risco de estar a comprar leite de vacas polacas. Vou comprar o leite da Lactogal que estiver em promoção.

Continuarei a usar a manteiga do Continente, porque, além de magnífica, é dos Açores - quem sabe se até feita com leite daquelas vacas da Graciosa que Cavaco surpreendeu, satisfeitíssimas e gulosas, a olharem para os pastos verdejantes.

Sei que vou deparar com algumas dificuldades nesta minha opção por comprar o que é nosso. O prefixo 560 não é garantia de que o produto é mesmo fabricado em Portugal (pode apenas ter sido embalado e registado cá). Há produtos - como a fruta, vegetais, o azeite, o mel - em que é obrigatória a identificação da sua origem, mas na maioria dos casos ela pode ser escondida. E há batotices, como as detectadas pela ASAE que apreendeu figos turcos, uvas italianas e amêndoas californianas disfarçadas de portuguesas.

Por isso aproveito este desabafo para pedir ao ministro Álvaro que prepare legislação no sentido de tornar obrigatória a denominação de origem nacional nos produtos de marca branca. Não só é patriótico, amigo do ambiente e facilita as minhas idas às compras (será que o iogurte grego do Continente é feito em Portugal?) como, ainda por cima, deve ajudar o grupo Jerónimo Martins a abandonar o lugar destacado que ocupa no top ten dos maiores importadores portugueses.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Jornal de Notícias

1 comentário

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D