Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Norte: deprimido

Vista de Amarante: uma bela cidade do Vale do Tâmega

 

 

Andamos há anos a ouvir falar de zonas deprimidas. Sabemos de planos para combater, e bem, estas assimetrias territoriais. Os resultados é que são pouco visíveis . Apesar de tudo as situações na Península de Setúbal foram reajustadas que é um pouco diferente de se terem resolvido. Há o problema do Alentejo que é preocupante. O mesmo acontece com as zonas de Trás-os-Montes e do Vale do Ave e até do Douro.

 

Todos têm planos estratégicos. Há zonas do país que parecem, no entanto, esquecidas. São os casos  do Norte e da sua sub-região do Vale do Tâmega.

 

O Instituto de Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto tem dado nos últimos anos um forte, competente de dedicado contributo para se conhecerem melhor estas realidades.

 

Num estudo recente sobre "A Região Norte de Portugal: dinâmicas de mudança social e recentes processos de desenvolvimento" conclui-se que esta regista neste  momento os "piores indicadores ao nível europeu". Dentro desta o Vale do Tâmega é ainda o mais deprimido.

 

Tudo isto é muito preocupante.

 

Como disse nas conclusões da apresentação do estudo Teresa Sá Marques, investigadora do departamento de Geografia da FLUP ,  num mundo globalizado "quem ficar para trás fica ainda mais atrasado".

 

A região está deprimida porque envelheceu, porque está despovoada, a economia entrou em letargia, não há dinâmicas culturais e desportivas e o desemprega afecta milhares e milhares de famílias.

 

A tudo isto acresce o facto dum estudo recente mostrar que se ganha muito menos no Porto - digo Região Norte - do que na região de Lisboa. Estamos a falar de cerca de 2500 euros/ano. O que é muito dinheiro para bolsos quase vazios.

 

A culpa é de todos, também dos que cá estão, mas o Estado Central não tem olhado para o país como um todo, como uma unidade que é importante desenvolver e dotar de meios e infra-estruturas equilibradas.

 

Esta reflexão não é mais um "choradinho", muito menos um desabafo dos "tipos do Norte" mas o apelo à reflexão para uma realidade que no futuro nos pode atirar para a cauda da Europa desenvolvida e dum Mundo cada vez mais competitivo e globalizado.

 

23 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D