Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Não basta ser bom na cama

Sou um pai global. A Mariana vive e trabalha em Los Angeles. O Pedro está em Galway a fazer o Erasmus. O João - acho que nunca me enganarei na idade dele, por muito grave que seja o Alzheimer, pois nasceu no ano 2000 - ainda vive comigo.

Sempre que me pedem um currículo, a primeira informação que alinho é: Jorge Fiel, 55 anos, três filhos, jornalista, antes de tentar resumir capacidades e conhecimentos. Os meus filhos são o mais pesado e generoso investimento que fiz no futuro da nossa língua e do nosso país.

No momento em que o PR reinicia os seus Roteiros (a versão cavaquista das Presidências Abertas de Mário Soares) pondo em cima da mesa a dramática questão do declínio da fecundidade, não posso esconder o orgulho que sinto por ter três filhos. Neste particular, até falo em cima da burra. Maria e Cavaco tiveram dois filhos (Patrícia e Bruno), ou seja limitaram-se a repor o stock, enquanto eu ultrapassei largamente a taxa de fecundidade mínima (2,1) para a renovação das gerações, um valor que Portugal não atinge desde 1982.

O Inverno demográfico é estruturalmente mais alarmante que o colapso grego ou o passivo monumental das empresas de transportes públicos, para já não falar de pentelhos, como os 45 mil euros de salário que a EDP paga a Catroga ou a controvérsia da tolerância de ponto no Carnaval.

Em 2011, o número de bebés nascidos em Portugal (99 mil) foi o mais baixo de sempre, apesar da contribuição externa (10% das mães são estrangeiras), deixando-nos com um vergonhoso índice de fecundidade de 1,37 (número médio de filhos por mulher), o 2.º mais baixo do Mundo, a seguir à Bósnia.

A manter-se esta quebra na taxa de natalidade, o regresso ao crescimento será uma quimera, a Segurança Social vai explodir e Portugal definhará e será um país cada vez mais pobre e cada vez mais velho. O problema não está no conhecimento, nem tão-pouco no desejo. Nos treinos, apresentamos resultados invejáveis. Um estudo da multinacional farmacêutica Lilly revela que nós, portugueses, fazemos duas vezes sexo por semana, o melhor desempenho dos 13 países analisados - bem acima de média (1,4) e o dobro de americanos e dinamarqueses!

O problema é que não basta ser bom na cama. É também preciso rematar ao golo. Para tirar partido em benefício do futuro do país do potencial sexual que alardeamos, é preciso o Governo estimular a procriação, aumentando os subsídios sociais e deduções fiscais ao jovens pais (e garantindo-lhes flexibilidade horária), assegurando uma cobertura nacional de creches e infantários e premiando as empresas que contratem grávidas.

A França investe 3,8% do orçamento no incentivo à maternidade. É vital para o nosso futuro como nação voltarmos a ver grávidas e carrinhos de bebé nos parques e nas ruas. Não há no Mundo coisa mais preciosa que os filhos.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Jornal de Notícias

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D