Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Não mexas, que é pior!

Basílio Horta, presidente do AICEP, quando tinha 11 anos e era aluno do Colégio Militar., onde por pouco não fez explodir a aula de Química. Na altura era conhecido como Bazuca e andava sempre com as fraldas de fora

O episódio passa-se com um grupo de teatro amador de uma pequena cidade do interior.  Como os actores à sua disposição eram todos jovens, o encenador teve de improvisar, pois a peça exigia um avô.

 

Peruca e barba, falsas e brancas, foram a solução expedita para transformar um rapaz de vinte e poucos anos no ancião avô da actriz principal, uma moçoila bem apessoada e da idade dele.

 

O problema é que durante quase todo o segundo acto, o avô tinha a netinha sentada no seu colo – e um homem não é de ferro.

 

Quando neta saiu do seu colo, o avô teve de se levantar e estava consciente de que a medida do entusiasmo que a colega actriz lhe tinha causado estava à vista do público.

 

Atrapalhado, refugiou-se num canto do palco e tentou em vão, com o auxílio da mão, disfarçar a protuberância, acomodando de outra maneira no interior das calças o seu aparelho reprodutor.

 

Pensava o actor estar a coberto do olhar curioso do público. Não estava. Vendo-o naquele preparo, um conterrâneo interpretou erradamente o gesto e achou por bem berrar-lhe um conselho: «Não mexas, que é pior!».

 

Esta anedota foi-me contada por um empresário, para sintetizar as dúvidas que sentia a propósito de um projecto que tinha em cima da mesa e que contemplava uma profunda reestruturação de um dos seus produtos.

 

Vem esta a história a propósito da malograda fusão a frio entre a API e o ICEP que está em cartaz há ano e meio, ou seja dura há mais tempo que os intermináveis folhetins das OPA da Sonae sobre a PT e do BCP sobre o BPI – apesar de não ter de recolher o parecer favorável da Autoridade da Concorrência e de não ter de cumprir as obrigações que abrangem sociedades cotadas.

 

O Estado é o accionista único e comum das duas entidades, mas nem assim conseguiu ser rápido e eficaz numa fusão que paralisou o ICEP e causou danos na promoção externa do nosso país.

 

Não é preciso ser um Einstein para se perceber que o pecado original residiu na escolha das instituições envolvidas. A fusão entre o IAPMEI e o ICEP era o matrimónio certo para obter ganhos de eficácia e poupar despesas à administração pública, já que ambos os institutos trabalham para o mesmo cliente: as PME.

 

O problema é que a fusão IAPMEI/ICEP era o projecto de Carlos Tavares e do Governo anterior e raramente o ministro novo consegue resistir à tentação de atirar para o caixote do lixo os planos e ideias do seu antecessor, fazendo ouvidos moucos ao conselho «Não mexas, que é pior».

 

As criticas à falta de senso da fusão API/ICEP e à trapalhada que ela originou não são um exclusivo de irredutíveis nortenhos, como Miguel Cadilhe, Ludgero Marques ou os patrões da têxtil e calçado. 

 

Numa entrevista ao diário económico Oje, o presidente da Câmara do Comércio Luso Francesa afina por este diapasão crítico. Bernard Chantrelle declara-se um fã da antiga API e defende que «a junção do ICEP e da API não vai trazer nada de novo».

 

Quando é que os nossos governantes deixarão de ser míopes e terão a grandeza de perceber que para melhor está bem, mas para pior já basta assim?

 

Jorge Fiel

 

32 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D