Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Para aliviar o toque rectal

A esmagadora maioria dos homens que, como eu, andam por aí há mais de meio século vivem aterrorizados com o cancro na próstata, que além de ser uma ameaça estatística com prováveis consequências devastadoras para a vida sexual das vítimas ainda por cima é tradicionalmente despistado por um método invasivo (o famigerado toque rectal) que esfrangalha o orgulho de qualquer macho latino.

Como, no particular das doenças, sou absolutamente irresponsável, sinto-me no dever de explicar que este tópico só me veio à cabeça por ter tropeçado numa notícia susceptível de nos engraxar o orgulho patriótico. A saber, da colecção do Museu Nacional de Arqueologia consta uma múmia egípcia com 2300 anos de idade a quem foi diagnosticado um cancro na próstata com extensões ósseas que faz dela um caso único no Mundo.

O cancro na próstata é um bom ângulo para abordar os cortes orçamentais que levaram um milhão de portugueses a perder a isenção total no acesso aos cuidados de saúde de que beneficiavam.

O Serviço Nacional de Saúde é, regra geral, muito bom, mas também é muito caro e comporta muito desperdício. Como, também na saúde, estávamos a viver acima das nossas possibilidades, Passos Coelho não teve outro remédio senão cometer a um gestor experimentado a tarefa de, em dois anos, abater 1,3 mil milhões de euros a um orçamento de 8,5 mil milhões de euros.

Era insustentável que a nossa despesa global com saúde se mantivesse acima dos 10% do PIB. O ajustamento brutal no orçamento do Ministério de Paulo Macedo implica mais receitas (daí o aumento das taxas moderadoras) e ganhos de eficiência - mas também menos transplantes, menos cirurgias, menos TAC e ecografias, menos subsídios aos medicamentos.

A propósito de menos cirurgias, vale a pena reflectir sobre o que nos contam sobre o caso do cancro na próstata Jerome Groopman e Pamela Hartzband, no recomendável livro intitulado Your Medical Mind, How to Decide What is Right for You, que problematiza a questão da racionalidade das decisões em matéria de saúde - e a quem elas devem competir.

Quando é diagnosticado cancro na próstata, nove em cada dez urologistas recomendam a remoção do órgão. Esta decisão, que parece razoável, é cntestada pelos autores do livro citado, que chamam a atenção para o facto deste carcinoma evoluir lentamente e demonstram haver mais homens a morrer com este cancro do que por causa dele.

Jerome e Pamela convidam-nos a olhar para as estatísticas provando que apenas um em cada 48 pacientes a quem foi removida a próstata beneficiaram com essa cirurgia. E acrescentam que, como agravante, dos restantes 47, um pouco mais de metade (24) sofreram efeitos secundários (incontinência e impotência ou perda de desejo sexual) da intervenção.

Moral desta história: dar informação e poder ao doente para decidir é também uma forma de poupar. E gastar menos com a saúde não significa sermos menos saudáveis - e é fundamental para fazer com que o toque rectal (em sentido figurado) a que estamos todos submetidos seja menos violento e de mais curta duração.

 

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Jornal de Notícias

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D