Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Vai trabalhar, malandro

Tempo e dinheiro (a ordem é arbitrária) são duas das coisas mais preciosas que há nesta vida. A grande porra é que de dia para dia fica cada vez mais difícil desfrutar delas em simultâneo, num regime satisfatoriamente equilibrado.
A abundância de tempo não faz a felicidade do milhão de portugueses desempregados e que, na sua imensa maioria, ambicionam ter trabalho.

Os desempregados têm tempo mas não têm dinheiro, enquanto que os felizardos como eu, que dão graças ao seu Deus por terem trabalho e chegarem ao fim do mês com o salário religiosamente depositado na conta, têm dinheiro, mas falta-lhes cada vez mais tempo livre.

"É porque hoje vou conseguir trabalhar menos de 12 horas", respondeu-me, noutro dia, um colega quando lhe perguntei por que é que andava com cara de Páscoa, ou seja com um ar alegre e jovial.

A má notícia é que não está para breve o fim deste nosso calvário. O desemprego vai continuar a aumentar e os bem-aventurados que conseguem manter um emprego vão ter de carregar a cruz de trabalhar cada vez mais e melhor, na esperança de que ocorra o milagre da ressurreição da nossa economia.

Amanhã é feriado, a Sexta-Feira Santa que antecede o domingo de Páscoa e assinala o julgamento, crucificação e morte de Cristo. Mas hoje, a quinta-feira que celebra os últimos momentos da vida de Jesus e a Última Ceia, já há muitos portugueses, em particular funcionários públicos (como, por exemplo, Cavaco e Passos, que anteciparam para ontem o seu habitual encontro semanal), que já não trabalham. É a tolerância de ponto.

Tolerância de ponto são palavras mágicas para todos os que incensam o direito à preguiça, os bons malandros que são licenciados em engenharia de pontes e estão na primeira linha da luta contra a redução dos feriados preconizada pelo Governo e com a qual eu estou completamente de acordo.

Trabalhar mais não resolve por si só o nosso grave problema de produtividade - mas ajuda muito. É uma condição necessária, mas não suficiente. Temos também todos de aprender a trabalhar melhor, um processo de aprendizagem permanente a que só a morte põe termo.

Cada feriado custa 37 milhões de euros e nós precisamos de produzir mais riqueza, não de a desperdiçar. É um abuso continuarmos a ter 14 feriados (sem contar com o Carnaval e as tolerâncias de ponto), quando os gregos vivem com 12, os franceses e alemães com dez, e os ingleses como oito. Na via-sacra que estamos a percorrer, é indefensável a manutenção de 140 dias de lazer por ano (entre férias, feriados e dias de descanso), ou seja trabalharmos apenas 62% dos dias. E não me parece bem queixarmo-nos da redução dos dias de férias de 25 para 22, quando os americanos se contentam com um máximo de 14 e os japoneses com apenas 11.

O caminho é doloroso, mas infelizmente não há outra maneira de voltarmos à vida e fazer a nossa economia despertar do estado comatoso em que a deixamos cair.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Jornal de Notícias

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D