Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Agenda do crescimento e karaoke

Karaoke wrong number, um vídeo de Rachel Perry Welty, foi a peça que mais me divertiu e intrigou - pondo-me por isso a pensar, o que só pode fazer bem porque as pequenas celulazinhas cinzentas precisam de treino - da coleção do Institute of Contemporary Art (ICA), instalado num edifício de arquitetura arrojada, que desfruta de localização privilegiada, junto à baía de Boston, e eu tive a felicidade de visitar no último domingo - entrou diretamente para o meu top ten pessoal de museus, ao lado de Serralves e do Luisiana, nos arredores de Copenhague.

Sentada na beira da cama, tendo como cenário uma parede branca e banda sonora as mensagens que estranhos deixaram por engano no seu gravador de chamadas, Rachel captura a nossa atenção e dá-nos uma soberba lição de representação, durante os 6m52s que dura o vídeo ao dobrar magistralmente, com movimentos de lábios e expressões faciais e gestuais perfeitas, as diferentes vozes que se vão sucedendo, femininas ou masculinas, com sotaques, ritmos e intensidades diversas.

E é absolutamente impagável a cara neutra e expressão asséptica que ela consegue afivelar no intervalo ocupado pelos pis e a voz de continuidade do gravador de chamadas.

Estive uns bons 20 minutos a deliciar-me com o doce engano proporcionado pela riqueza das expressões de Rachel neste sofisticado exercício de playback. Tal como na presença de um bom ventríloquo, sabemos que não é o boneco que está a falar, apesar de nos parecer mesmo que as palavras e frases saem dos seus lábios.

A nova variante da grande ilusão introduzida por Rachel Perry Welty fez-me logo lembrar as mensagens corretas e formalmente bem articuladas que os líderes políticos treinam afincadamente para passar sempre que se acende à sua frente a luz de uma câmara de televisão.

Seguro quer uma agenda do crescimento e propõe que se afrouxe o nó da gravata da austeridade. Ninguém pode deixar de estar de acordo com estas propostas. Mais crescimento, menos austeridade. Mas nesta comunicação há um ruído idêntico ao do vídeo da Rachel, quando a cara, lábios e gestos dela imitam na perfeição a voz do estafeta negro que lhe deixou um recado, mas apesar disso nós sabemos que a realidade não é bem assim. Conhecem alguém que prefira o agravamento da austeridade ao crescimento económico? Conhecem alguém que não queira ganhar o jackpot do Euromilhões?

Todos (pelo menos quase todos) queremos viver melhor, trabalhar menos e ter mais dinheiro no banco e no bolso. Mas para o discurso da "agenda do crescimento" não soar a karaoke ou a truque de ventríloquo, seria conveniente destrocar a coisa por miúdos e elencar as ideias brilhantes que nos podem pôr de volta no trilho da prosperidade. Estou ansioso por ouvi-las, porque se a receita for a do costume (aumento da despesa e da dívida pública) sou capaz de passar a preferir aguentar o frio do pacote de austeridade ditado pela troika

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Jornal de Notícias

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D