Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Emprestem-me 100 milhões

 

Sempre fiz questão que os meus filhos deem uma mão nas tarefas domésticas, mesmo que apenas simbólica, circunscrevendo-se ao pôr e levantar a mesa e à obrigatoriedade de depositar a roupa para lavar no respetivo cesto e não no chão do quarto ou da casa de banho.

Presumo que poucos discordarão se eu disser que os nossos queridos filhos, bem como a generalidade das crianças e jovens adolescentes, são encantadores, mas que se nascem inocentes e desprovidos de maldade, como pretende Rousseau, a verdade é que a aprendem depressa e ainda bebés de colo já estão completamente apetrechados com um vasto arsenal de truques e manhas.

A manha mais usada para se furtarem a uma tarefa não é insubordinação (ou seja a recusa formal e assumida em desempenhá-la) mas antes adiá-la, indefinidamente, sob os mais vários pretextos. Primeiro fazem de conta que não ouvem. Depois seguem-se as desculpas "estou só a acabar um trabalho", "estou só a desligar o computador", "estou na casa de banho", "primeiro tenho de ir à casa de banho" ou o curto mas demolidor "vou já".

Estas táticas - a que os advogados chamam "manobras dilatórias" e que também dão um resultadão nos tribunais como se comprova pelo facto de Isaltino continuar livre como um passarinho - são altamente eficazes, sobretudo se acompanhadas de frases, como "não stresses", ou "tem calma!!!", destinadas a elevar o nível da nossa tensão arterial e fazer-nos perder a paciência, ao ponto de desistirmos de fazer cumprir a ordem e executarmos nós mesmo uma tarefa que não nos competia.

Uma das morais desta história é que não basta a jura de que estamos dispostos a assumir um compromisso se não conseguirmos adicionar a esta manifestação de vontade - saída boca fora ou passada a escrito e assinada - a credibilidade de que o efetivamente o vamos fazer e dentro do prazo acordado. Nesta questão das dívidas, o mentiroso "pago-te amanhã" é o equivalente ao "vou já" dos filhos manhosos.

Os prazos nunca são um pormenor. Salazar sabia isso melhor do que ninguém e a prova dos nove da sua esperteza de velha raposa foram as emissões de obrigações perpétuas, que vencerão a 31 de dezembro de 9999, para financiar o défice das contas públicas nacionais entre 1940 e 1943.

O busílis é convencer os credores de que poderá ser para eles um bom negócio emprestar-nos dinheiro a um prazo muito dilatado.

Já agora que estamos a falar disso, se souberem de alguém que esteja interessado em fazer-me um empréstimo de 100 milhões de euros, a vencer a 30 de maio de 2956 (faço mil anos nesse dia), fiquem desde já a saber que estou disponível para pagar uma taxa anual líquida de 5% e não vou gastar o dinheiro mal gasto - nem tão-pouco usá-lo para bater a cláusula de rescisão do Hulk.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no Jornal de Notícias

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D