Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

O monstro precisa de amigos

Só pode ter a ver com a idade, mas começo a ficar farto do paleio dos treinadores de bancada que, quando tomam de ponta um jogador, não param de implicar com ele. Se dribla, dizem que tem a mania que é artista e devia ter rematado. Se remata, chamam-lhe guloso e argumentam que devia ter passado. Se passa, acusam-no de ser um cortão, pois devia ter rematado.

O que já não tem a ver com a idade, pois sou assim desde pequenino, é o complexo de Robin dos Bosques que me leva a torcer sempre pelos mais fracos - a não ser que o Porto ou Portugal estejam em jogo.

O complexo de Robin dos Bosques, somado ao esgotar da paciência com os treinadores de bancada, leva-me a ter pena dos patinhos feios e a uma simpatia instintiva por quem se vê no ingrato papel de saco de pancada em que toda gente molha a sopa.

Dou por mim a sentir pena de Passos Coelho, que além dos inevitáveis (e expetáveis) insultos e cuspidelas, murros e pontapés, oriundos da Oposição e sindicatos, está a receber as sempre desagradáveis facadas nas costas aplicadas pela sua gente: barões laranja, notáveis do CDS e empresários - o que é cruel, pois, como nota Pedro Santos Guerreiro, num duro editorial no "Jornal de Negócios", nunca um Governo foi tão amigo dos empresários.

A coisa chegou ao ponto de Alexandre Relvas - empresário e porta-voz oficioso de Cavaco, de quem foi o Mourinho em campanhas passadas - lhe chamar ignorante, acusando-o de desconhecer a realidade das empresas.

Sei que a margem de manobra do Governo é muito reduzida, para não dizer nula. Mas, infelizmente, não tenho a certeza de que a receita da troika seja a adequada para nos tirar do buraco em que nos enfiámos. E acho profundamente injusto que a quase totalidade dos sacrifícios corram por conta das famílias.

Compreendi quando em outubro de 2011, com a candura que o carateriza, Gaspar explicou que "era mais fácil e mais rápido aplicar impostos do que mudar o funcionamento do Estado". Mas, caramba, já se passou quase um ano, e continua a ser o mexilhão a sofrer. E acho que Passos Coelho ainda não percebeu que em economia as palavras pesam tanto como os números - e que o objetivo não está sempre colocado para ser atingido, mas para servir de ponto de mira, de orientação.

O problema é que não sei até quando vamos conseguir aguentar, com abnegação e estoicismo, os sacrifícios necessários para pagar os desvarios dos sucessivos governos que nos desgovernaram.

O problema é que ainda não consegui descortinar, no meio das justas críticas aos excessos da austeridade, quem esboçasse uma credível via alternativa à equação "Ou nós (coligação troika/Passos) ou o dilúvio (tragédia grega)", que continua a ser o ás de trunfo deste Governo.

Sem desprimor para os treinadores de bancada, Goethe estava cobertinho de razão quando escreveu que pensar é fácil, agir é difícil - e agir conforme o que pensamos é ainda mais difícil.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no JN

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D