Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Não somos todos iguais

Somos todos diferentes e isso não se esgota nos rapazes terem pilinha e as meninas pipi. Somos diferentes porque reagimos de maneira diversa a um mesmo estímulo. No livro que publicou após ganhar a Champions no Porto, Mourinho faz a prova dos nove desta tese, ao contar como abordou a mesma situação - a estreia na equipa principal - com dois diferentes jogadores.

Pôs à vontade o que ele sabia que lidava mal com o stress ( "Mesmo que o jogo não te corra bem, és titular no próximo") e picou com uma ameaça o que só funcionava sob pressão: "Se deres barraca, nunca mais entras na equipa e no final da época estás na lista de dispensas".

Antes de Mourinho nos ter ensinado que é errado tratar todos os futebolistas da mesma maneira, já tínhamos aprendido com Jardim Gonçalves que os clientes dos bancos são todos diferentes e por isso é asneira tratá-los por igual.

Com cinco filhos, uma catrefada de netos (só Sofia, casada com João Teixeira Duarte, deu-lhe 14), e militante da Opus Dei, Jardim Gonçalves sabia do que falava quando avisou ser injusto tratarmos os filhos por igual, pois eles são diferentes e precisam de tratamento personalizado - e fez desta constatação a alavanca para o sucesso inicial do BCP, baseado na compreensão que não se pode dar o mesmo tratamento a Américo Amorim e a uma "caixa" do Pingo Doce.

Tal como futebolistas, filhos e clientes do banco, os países são todos diferentes. Com as suas 1873 lojas Biedronka de "hard discount", a Jerónimo Martins é um luminoso caso de sucesso na Polónia. Mas ia naufragando quando tentou convencer a irem ao hipermercado uns polacos que viviam em apartamentos pequenos, com uma área média de 40 m2, sem espaço para armazenar as compras do mês.

A maior das riquezas da cultura europeia é a sua diversidade, pelo que é errado tratar todos os países da mesma maneira; Moutinho estava tramado se tratasse da mesma maneira um bávaro e um andaluz.

Para acudir à crise das dívidas soberanas, os bombeiros da troika improvisaram uma receita única para combater o fogo, que aplicaram indistintamente em climas, solos e paisagens tão diversas como a grega, a irlandesa e a portuguesa.

Na sua boa fé, Passos Coelho diz que sabe para onde vamos. O problema é que há cada vez mais gente e estatísticas capazes de jurar que ele está a ir no caminho errado, enganado pelo GPS da troika.

Se calhar chegou a altura para, sem dramatismos e com a Oposição a demonstrar sentido de Estado - resistindo a gritar criancices do tipo "nós tínhamos avisado"-, nos sentarmos à mesa com a troika para produzir um trabalho de alfaiataria, ajustando o programa de ajustamento e substituindo a receita pronto a vestir por um fato feito à medida às idiossincrasias do nosso corpo. É muito diferente a temperatura do sangue que corre na veia dos gregos e do alemães. Os países são todos diferentes. É errado tratá-los todos da mesma maneira.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no JN

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D