Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Trabalho sexual é trabalho!

Ann, uma rapariga de Southampton que conheci (em todas as aceções do verbo, incluindo a bíblica) na apanha do morango, em Inglaterra, proporcionou-me uma iniciação sexual bastante completa. Naquele verão de 1972, em que viajei pela Europa de InterRail, eu tinha 16 anos, acabados de fazer. Sei que muito provavelmente devo à Ann o facto de, até agora, nunca ter sentido necessidade de usar os serviços de profissionais para ter uma vida sexual regular e satisfatória.

Esta declaração de nunca ter ido às putas pode encerrar algum orgulho mal disfarçado, mas acreditem que não contém uma gota sequer de crítica velada às trabalhadoras do sexo e seus clientes. Também nunca comi lampreia, fui à neve ou joguei golfe, e isso não quer dizer que menospreze ou critique quem se entretém a fazer grandes caminhadas animado pelo objetivo de enfiar uma pequena bola num buraco, ou os fanáticos pela lampreia e o esqui.

E se escrevi um prudente até agora na última frase do primeiro (e longo) parágrafo isso deve-se apenas a uma cautela derivada da leitura de um caso curioso ocorrido na Dinamarca, onde o diretor de um lar de terceira idade provocou uma enorme polémica ao incluir uma prostituta nos serviços de conforto - barbeiro, manicura e pedicura, enfermeiro, médica, etc. - providenciados aos idosos residentes.

"Registamos melhorias significativas na disposição e saúde dos idosos após a visita da acompanhante", contou o diretor do lar dinamarquês, que enfrentou o usual coro de críticas de hipócritas e falsos moralistas, mas contou com o apoio do ministro da Saúde dinamarquês.

Há no nosso país uma indústria do sexo, que envolve cerca de 60 mil pessoas (mais ou menos tantos quantos os profissionais de saúde), cujos diferentes setores - que vão desde a prostituição até à rede de 150 sex shops, passando pelos/as strippers, atores e atrizes de filmes porno, trabalhadores de linhas eróticas, etc. - vivem na penumbra, entre uma legalidade disfarçada e uma clandestinidade consentida.

Que atire a primeira pedra quem nunca usufruiu de um produto desta indústria. E, por favor, na hora de meterem a mão na consciência, não esqueçam as loucas festas de despedida de solteiro, que nunca um livro vendeu tanto em tão pouco tempo como "As 50 sombras de Grey" (rotulado de porno para mamãs) e que as estatísticas juram que um em cada dois homens e uma em cada cinco mulheres veem regularmente pornografia.

Numa altura em que quase toda a gente espreita uma oportunidade para fugir aos impostos e condena o crescimento da economia paralela, convinha deixarmos de ser hipócritas e aplaudir a luta dos/as prestadores de serviços sexuais que reivindicam a legalização da sua atividade e querem ser reconhecidos como trabalhadores como outros quaisquer, que pagam IRS e descontam para a Segurança Social, para em contrapartida terem direito a férias, subsídio de desemprego e reforma. Trabalho sexual é trabalho!

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no JN

1 comentário

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D