Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Pássaro, lombrigas e rinoceronte

Paquidérmico e grotesco, o rinoceronte é também neurótico e pouco sociável. O seu temperamento irascível é famoso entre a bicharada. Duro de ouvido e quase cego, deve parte de leão da sua qualidade e tempo de vida ao tchiluanda, um pequeno e improvável amigo.

O tchiluanda é um pássaro africano que vive à custa do rinoceronte. Cata as carraças que se alojam nas suas orelhas ou pele grossa. E usa o bico pequeno e afiado para retirar os restos de comida que se alojam nos dentes. Ou seja, ao mesmo tempo que se alimenta, alivia o rinoceronte do vampirismo da carraça e impede que os seus dentes apodreçam e ele acabe por morrer à fome.

Este pequeno pássaro faz ainda de sentinela, avisando o rinoceronte da presença de inimigos através de um grasnado agudo.

O Estado português é como o rinoceronte - paquidérmico, grotesco, duro de ouvido e quase cego - graças à incompetência e ausência de sentido de Estado de políticos que se entretiveram a comprar retumbantes vitórias eleitorais à custa do dinheiro dos nossos impostos.

Quando chegou ao poder, em 1985, prometendo menos e melhor Estado, Cavaco encontrou 464 mil funcionários públicos. Quando saiu, dez anos depois, deixou-nos 639 mil, mais bem pagos e com mais regalias.

A reforma do sistema remuneratório da Função Pública, promovida por Cavaco, foi a mãe do monstro despesista que nos asfixia e quase atirou para a falência. O diagnóstico é do insuspeito Miguel Cadilhe.

1991 é o ano da segunda maioria absoluta de Cavaco e também o ano recorde do crescimento da despesa com a Função Pública: subiu 15,2%.

Ao contratar 87 mil novos funcionários públicos por legislatura, Cavaco estabeleceu um recorde de que nem Guterres (75 mil por legislatura) se conseguiu aproximar.

Nos últimos dois anos, os cortes na despesa do Estado foram horizontais, atingindo por igual todos os funcionários que vivem à sua custa, quer os que lhe são úteis e até indispensáveis (como é o caso do tchiluanda), quer os parasitas inutéis e absolutamente dispensáveis , como os montes de lombrigas que pululam nas bostas de rinoceronte.

Mais mil para trás ou para a frente, parece pacífico que o ajustamento do Estado obriga à exclusão de 70 mil funcionários (ou seja 10% do efetivo) da sua folha de salários.

Esta tarefa é bem mais fácil do que pode parecer, pois há 65 mil funcionários públicos (dos quais 40% na Defesa e 15% na Educação) contratados a prazo, 34 mil pediram a reforma (antecipada, no caso de 25 mil) e ainda há que contabilizar rescisões por mútuo acordo e o recurso à megabolsa de excedentários.

A arte do Governo não está em livrar-se de 70 mil funcionários, mas sim em cortar apenas na gordura, não atingindo nervos e veias. Ou seja, livrar-se das lombrigas mas preservar os tchiluandas.

Jorge Fiel

Esta crónica foi hoje publicada no JN

125 comentários

Comentar post

Pág. 1/9

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D