Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

I love Oporto: três pontes e 17 experiências

Ora aqui está fresquinha, pronta a ser consumida durante o fim-de-semana, a terceira prestação da minha declaração de amor em 100 pontos à cidade que amo.

 

O Zé Martins (nome que, terei de concordar, é bastante comum), foi meu colega de liceu no Alexandre Herculano. Era fanático pelos Blood, Sweat & Tears. Parece-me que ainda o estou a ouvir a trautear o «Lucretia  MacEvil» nas aulas de Latim, sentado na carteira atrás de mim.

 

Eu e o Martins tínhamos um amigo comum, o Leitão, fanático pelos Chicago Transit Authority. A questão dominante do meu 6º ano de liceu foi a discussão entre o Martins e o Leitão acerca de qual seria a melhor banda do Mundo, se a liderada por David Clayton Thomas ou a de Peter Cetera, que, como está bom de ver, acabou num frio corte de relações entre os dois.

 

Eu gosto (sempre gostei) das duas bandas, mas se tiver de decidir qual prefiro, digo os Blood.

 

Perdi ambos de vista (os meus colegas, não as bandas com fortes secções de sopro). Soube que o Leitão tinha (ou tem?) um bar na Ribeira. E que o Martins se tornou psicólogo e poeta – e vem a exumação desta recordação a propósito desta última actividade.

 

O Zé Martins escreveu vários poemas que foram cantados pelos Já Fumega,. Um deles fala do nó cego que uma rapariga lhe deu (creio ser rigorosamente autobiográfico e até estou convencido de que sei quem foi a moça) e da cerveja que está choca quando o café está quase a fechar. Um outro, lembra-nos uma verdade de sangue: a ponte é uma passagem para outra margem.

 

O Porto é uma cidade de pontes. Foi isso mesmo que, em sentido figurado, esteve na origem do lema do Porto Capital Europeia da Cultura em 2001.

 

Falando das pontes do Porto no sentido literal, devo declarar que há quatro magníficas e duas sofríveis (a do Infante e do Freixo) e que a minha preferida é a da Arrábida.

 

Três obras de arte e 17 experiências preenchem o menu do dia.

 

Mais uma corrida! Mais uma viagem! Animem-se que já só faltam duas suaves prestações para eu acabar de sepultar este aparentemente infindável inventário de 100 coisas que amo no Porto.

 

 

PONTES

 

 

41. Ponte da Arrábida

 

Edgar Cardoso deixou-nos duas pontes com histórias e marcantes na paisagem do Porto. A ponte de Arrábida, que acrescentou à cidade a nova centralidade da Boavista, e possuía, à data da sua inauguração por Salazar (dealbar dos anos 60), o maior arco de betão armado do Mundo – havia mesmo que suspeitasse que ira cair, o que, como se sabe, não aconteceu. Mais tarde, a ponte S. João (que reformou a Maria Pia) proporcionou ao engenheiro a possibilidade de bater o recorde mundial para o maior vão em ponte ferroviária construída pelo método dos avanços sucessivos.

A elegância erótica do arco desenhado por Edgar Cardoso e o azul bebé com que foi pintada fazem da Arrábida a minha ponte favorita do Porto.

 

 

42. Ponte D. Maria Pia

 

É uma pena estar desactivada esta ponte ferroviária com 354 metros de comprimento e 61 de altura, uma das jóias da obra de Gustave Eiffel, que muitos consideram a mais bonita. É nesta ponte que se desenrola  a mais emocionante cena do imperdível romance «O Estranho Caso da Boazona que Me Entrou pelo Escritório Dentro» de José Pinto Carneiro.

 

 

43. Ponte D. Luiz I

Os dois tabuleiros (dos quais o de cima ficou reservado para o metro e peões ) conferem uma personalidade única a esta ponte de ferro projectada por Teofilo Seyrig, colaborador de Eiffel.

 

 

EXPERIÊNCIAS

 

 

44. Cruzeiros no Douro

 

A oferta de cruzeiros fluviais no Douro varia entre os passeios de longo curso, rio acima, com duração superior a um dia, e as curtas viagens pelas seis pontes que cruzam o rio entre Porto e Gaia. Todos valem a pena.

 

 

45. Funicular de Guindais

 

A viagem descendente entre a estação de montanha (na rua Augusto Rosa, à Batalha) e a fluvial, junto ao tabuleiro inferior da ponte D. Luiz (junto ao painel Ribeira Negra de mestre Júlio Resende) oferece uma vista de cortar a respiração quando se abandona o percurso subterrâneo e se entra em céu aberto. Ligar a marginal do rio à zona da Batalha é uma ideia antiga. O elevador de Guindais é o sucessor de um funicular que funcionou na mesma encosta durante dois anos, nos finais do século XIX, até ser desactivado na sequência de um acidente, motivado por excesso de velocidade, que fez abortar o programa de construção de mais dois elevadores, nas zonas de D. Pedro V e Arrábida.

 

 

46. Praça da Ribeira

 

O local onde palpita o coração da Ribeira é rico em atracções. Tem duas boas esculturas – o S. João, de João Cutileiro, e o cubo, de José Rodrigues –  as esplanadas onde os estrangeiros que o futebol trás à cidade se encharcam em Superbock, e um hotel único, o Porto Carlton, feito a partir da recuperação de várias casas e que nos seus dois primeiros anos de vida se viu na contingência de se travestir em submarino, por via das cheias, logrando sobreviver com a compreensão dos hóspedes,  que acharam graça à situação e não se importaram de utilizarem usarem a entrada para o restaurante do hotel (o Vintage), no Muro dos Bacalhoeiros, em alternativa à entrada principal, que estava submersa e, presumivelmente, a ser usada pelas taínhas.

 

 

47. Passeio de eléctrico

 

Imperdível fazer o circuito do 22 na Baixa, entre o Carmo e a Batalha. Na Batalha, descer até ao rio no Funicular de Guindais. Atravessar a Ribeira a pé e apanhar o 1 no Infante (paragem junto à entrada para a fabulosa igreja de S. Francisco) e seguir nele até ao fim da linha, na Cantareira. Voltar para trás, desembarcar em Massarelos, dar uma espreitadela ao Museu do Carro Eléctrico e regressar ao Carmo subindo a Restauração, novamente de eléctrico.

 

 

48. Salão Árabe do Palácio da Bolsa

Só visto e vivido. Contado ninguém acredita. Os empresários do Porto do século XIX no seu melhor.

 

 

49. Pérola do Bolhão

 

Bela, pérola e formosa. É de carregar pela boca compor uma frase com estas palavras: A Pérola do Bolhão é a mais bela loja da rua Formosa (que de formosa apenas tem o nome e a magnífica fachada desta mercearia). Lá dentro está o inevitável gato preto  - não para dar galo, mas antes presença dissuasora da perniciosa actividade dos roedores – e produtos de mercearia, charcutaria (chouriças, alheiras, orelheiras), de garrafeira (Portos, vinhos de mesa, aguardentes) bacalhaus e queijos da Serra. Cá fora estão uns notáveis painéis em azulejo, com a assinatura da famosa e extinta fábrica do Carvalhinho.

 

 

50. Bolo rei da Petúlia

 

O bolo rei mais procurado na cidade é o da Petúlia a confeitaria da família de Ilídio Pinto, que deve a outra parte da sua fama ao facto de ter acolhido as célebres tertúlias futebolísticas animadas pelo saudoso José Maria Pedroto e Jorge Nuno Pinto da Costa. Hernâni Gonçalves, o popular Bitaites, é um dos fregueses sobreviventes desses heróicos tempos.

 

 

51. Marechal Gomes da Costa

 

A avenida mais elegante e sofisticada do Porto é esta. Um boulevard! Ponto final. Artur Santos Silva, o do BPI, Armanda Passos, a pintora, e António Oliveira, o da bola, são alguns dos sortudos que lá vivem. A casa de Valentm Loureiro fica pelas imediações. Se eu fosse rico, de certeza era lá que morava.

 

 

52. Praça de Liège

 

Albergar um cemitério não é suficiente para a desqualificar da minha «short list» das mais bonitas praças da cidade.

 

 

53. Rua de Santa Catarina

 

É o verdadeiro centro comercial ao ar livre do Porto. Belmiro de Azevedo, que transformou  em shopping (Via Catarina) a antiga sede do Primeiro de Janeiro, chegou a sonhar cobrir a rua, reconvertendo-a em galeria. Em Santa Catarina, alinham-se as lojas das mais importantes marcas nacionais e internacionais. Foi nesta rua, com um amplo troço pedonal,  que a Zara abriu a sua primeira loja fora de Espanha, ganhando à Maconde,  com o auxílio do galego Banco Pastor, a corrida ao espaço que ainda ocupa.

 

 

54. Miguel Bombarda

 

O SoHo do Porto começou a desenhar-se quando, em 1997, Fernando Santos mudou a sua galeria para a rua Miguel Bombarda e desafiou os colegas a fazerem o mesmo, em ordem à criação a criar nesta zona de um «cluster» do oficio de negociar em arte, copiando o que se fazia na Idade Médio, onde os ofícios se concentravam em ruas, o que ficou tatuado na toponímia da cidade (como, por exemplo a rua dos Caldeireiros).  Resultou. Na Miguel Bombarda e ruas adjacentes (Aníbal Cunha, D. Manuel II, Rosário. etc) há dezenas de galerias regularmente inauguram as exposições no mesmo dia.

 

 

55. Caminhos do Romântico

 

Cinco percursos  pedonais, apoiados em painéis informativos, constituem o menu  dos Caminhos do Romântico, desenhados no vale de Massarelos, que logrou escapar à voracidade da especulação imobiliária e transportar até ao século XXI o perfume oitocentista presente no carácter rural das suas hortas, quintas, fontes e lavadouros. Traçados pela arquitecta Graça Nieto, são um convite atractivo a um mergulho no passado, a passear pelo Porto das vielas estreitas e escuras, das camélias e do cheiro a rosas (mas também a aromas menos agradaveis ...) para desfrutar de vistas fabulosas sobre o Douro. O ponto de partida é na rua de Entrequintas, perto do portão de acesso ao Museu Romântico. 

 

 

56. Solar do Vinho do Porto

 

Acessível a partir dos jardins do Palácio e situado no coração do Porto Romântico, é o cenário ideal para um pedido de namoro ou casamento. Ocupa as antigas cozinhas da Quinta da Macieirinha, onde viveu o rei italiano Carlos Alberto durante o seu curto exílio portuense. O Museu Romântico ficou com o resto da casa. Os visitantes do Solar beneficiam de uma vista deslumbrante a partir de um belo jardim debruçado sobre o rio Douro e Gaia. Nos dias quentes de Verão, a opção correcta é encomendar  um refrescante um Porto Tónico (Porto branco seco a que se adiciona agua tónica).

 

 

57. Biblioteca Almeida Garrett

 

Revestida a mármore grego, carvalho americano e tola, equipada com moveis Alvaar Alto, esta biblioteca é uma das três peças (as outras são uma galeria de arte e um auditório) do edificio cultural desenhado por José Manuel Soares, implantado nos jardins do Palácio de Cristal, entre a avenida das Tílias e a rua de Entrequintas.

 

 

58. Caves de Vinho do Porto

 

O Vinho do Porto foi inventado por acaso, algures no século XVIII. Para evitarem que o vinho azedasse na longa viagem marítima para Inglaterra, os exportadores começaram a adicionar-lhe uns 20 litros de aguardente por pipa, antes do embarque. A receita agradou ao paladar dos ingleses. Tinha acabado de nascer o Porto, um vinho único no Mundo. Na verdade, para além da designação, o vinho apenas lateralmente tem a ver com a cidade de que ostenta o nome, já que é produzido na região do Douro - mandada demarcar em 1756 para proteger a pureza de um vinho com os créditos firmados na loira Albion. Até meados do século passado, os mostos vinificados eram transportados rio abaixo em barcos rabelos até às frias caves do entreposto de Gaia onde ficavam a envelhecer. Hoje em dia, os rabelos alinhados na margem esquerda têm um efeito meramente decorativo, já que apenas uma vez por ano são usados numa renhida regata que se realiza no primeiro fim de semana a seguir ao S. João. A maioria das caves está aberta a receber visitas, que por norma são gratuitas (nos casos em que é cobrada uma entrada esse montante pode ser descontado na compra de Porto) e compreendem uma prova de um branco, um ruby (Porto novo que deve o seu nome à cor e é comercializado após três anos de estágio em grandes recipientes, protegido do ar, o que lhe permite manter a cor, pujança e frescura)  ou um tawny (vinho que envelhece em casco e beneficia de arejamento, pelo que a sua cor evoluiu para tons acastanhados.

 

 

59. Uso e abuso do vernáculo

 

Ouvir um impetuoso «Vai para a grande puta que te pariu!!!», cheio de pontos de interrogação no fim, e não se sentir ofendido é um privilégio nortenho. No Porto temos o saudável hábito de usar no dia a dia palavras que constam do dicionário mas que nas paragens mais meridionais do país foram metidas na gaveta.

 

 

60. As 20 salas de cinema das UCI

 

Quando abriram eram da AMC. Posteriormente foram rebaptizadas UCI. O nome não interessa. Aquelas 20 salas são as melhores do país. Um dos meus programas favoritas é aproveitar a hora do almoço para ir ver uma sessão ao Arrábida.  O ano passado, quando perguntei à Luciana Abreu (a Floribella) de que é que tinha saudades do Porto ela respondeu logo: «De ir ao cinema no Arrábida». Boa rapariga!

 

Jorge Fiel

 

36 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D