Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Apanhados pelo clima

Quando o tempo está bom pode estar-se na esplanada do Bogani a olhar para o Porto

 

A associação de defesa do Ambiente Campo Aberto anunciou que, dentro de 30 anos, o Porto vai ter um clima semelhante ao de Rabat. Eu começo a acreditar na justeza dessa previsão.

 

Apesar de ter arrefecido um pouco nos últimos dias, não é normal eu ter mosquitos no quarto em meados de Novembro e ver gente de havaianas, calções e tops a passear em ruas enfeitadas com as iluminações de Natal.

 

Também não é normal que já se tenham recenseado mais incêndios no Outono do que em todo o Verão.

 

A indústria têxtil e as lojas de vestuário estão à beira de um ataque de nervos e com toda a razão. Ninguém vai comprar sobretudos, camisolas de lã ou gabardinas quando as esplanadas estão cheias de gente a gozar o sol.

Nós, os consumidores, já decidimos que o melhor é esperar pelos saldos.

 

O que apoquenta industriais têxteis e os lojistas não é um eventual Verão de S. Martinho mais prolongado. Não, O problema é muito mais grave. Estamos a viver o prólogo dos efeitos catastróficos do aquecimento global.

 

A doença está diagnosticada. Os cientistas sabem como a combater. E os governos até já quantificaram os custos desse combate. A redução das emissões de gases para limitar o aquecimento global sacrificaria apenas 0,12% do crescimento do PIB mundial. Não é caro.

 

Sabe-se qual é a doença. Sabe-se como tratá-la. E a medicação é barata. Só que é preciso administrá-la, passar da potência ao acto, antes que seja tarde demais.

 

Por razões óbvias, as seguradoras estão bastante preocupadas com o défice de acção face a um fenómeno gerador de grandes catástrofes naturais.

 

Neste particular, são reveladores os resultados de uma sondagem promovida pela gigante Swiss Re: 80% dos CEO inquiridos estão convencidos que as alterações climáticas encerram em si um enorme risco potencial, mas apenas 40% declaram estar a fazer alguma coisa para as combater.

 

A luta contra o aquecimento global tem de ser um cruzada global, envolvendo toda a gente. Grandes organizações internacionais (ONU e EU),  governos e empresas mas também os cidadãos.

 

Nesta cruzada, compete aos Governos liderar os esforços. Publicitando e premiando as boas práticas. Castigando ou proibindo as más.

 

O nosso Governo já devia, por exemplo, ter imitado o seu congénere inglês que proibiu a comercialização de lâmpadas de alto consumo energético.

 

É urgente a adopção de uma política combinada de cenoura e bastão, concedendo tratamento fiscal favorável às companhias que desenvolvam planos de investimento na redução de emissões de carbono, e penalizando com mais impostos as que teimam em se alhear desta cruzada.

 

Como os transportes são uma das frentes mais sensíveis deste combate, os governos das nossas grandes cidades deviam concertar medidas de guerra ao automóvel, tornando desconfortável e caro o seu uso. Aumentar os preços do estacionamento e adoptar medidas de tolerância zero ao parqueamento ilegal, estimularia o uso de transportes públicos.

 

Ninguém pode ficar indiferente a um combate em que o que está em jogo é o futuro dos nossos filhos, dos nossos netos – e do planeta.

 

Jorge Fiel

 

Este artigo foi publicado hoje no diário económico Oje (www.oje.pt)

56 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D