Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Duas perguntas judiciosas a propósito do «boom» do Porto como destino turístico

 

Penso que nunca me esquecerei da conferência de imprensa em que Michael O’Leary, vestido com a camisola do FC Porto, lançou a operação da Ryanair para o aeroporto Sá Carneiro.

 

Michael sabia que a recente vitória dos dragões na Champions e a anunciada transferência de Mourinho para o Chelsea ia ajudar o Porto a ser um destino sexy para os viajantes ingleses.

 

Mário Ferreira, o empresário do Douro Azul, estava sentado ao lado de um  dono da Ryanair obviamente interessado em tirar partido da fama de que o Vinho do Porto desfruta nas ilhas britânicas e oferecendo um produto que combinasse cidade com um cruzeiro fluvial até aos socalcos onde nasce o vinho.

 

A operação Porto da Ryanair tornou-se um enorme sucesso e ajuda a explicar a performance notável do Sá Carneiro, que viu o número de passageiros que o usam explodir de três para quatro milhões entre 2006 e 2007 – e passou a estar ligado a 56 destinos através de 16 companhias aéreas.

 

O turismo em Portugal deixou de ser apenas Algarve, Madeira e Lisboa. O Porto e o Norte passaram a figurar no mapa – assim como o Alentejo s os Açores,

 

São vários os sinais da importância crescente do turismo na nossa região, que foi a que conheceu no ano passado um maior aumento de dormidas.

 

Mesmo na época baixa, as ruas do Porto são diariamente sulcadas por «double deckers » descapotáveis bem guarnecidos de turistas estrangeiros.

 

A prestigiada revista de viagens Condé Nast Traveller elegeu o Porto, na sua edição de Janeiro, como o único destino português de um total de 14  recomendados aos seus leitores.  A Casa da Música, Serralves, o Coliseu e a Torre dos Clérigos são os pontos obrigatórios de visita salientados.

 

O investimento no Sá Carneiro - premiado internacionalmente e o único português servido por metro -  já começa a dar frutos.

 

A sábia decisão de fundir numa só as diferentes regiões de turismo nortenhas faz também todo o sentido.

 

Há todas as condições para que o turismo se torne um dos sectores mais importantes da nossa economia regional e até venha a ser uma das alavancas do ressurgimento nortenho.

 

Mas para que isso aconteça é preciso acabar com os entraves burocráticos que impedem a concretização de vários importantes projectos de investimento na região do Douro.

 

E é também preciso ser ousado e descomplexado.

 

Por que não negociar com a Região de Turismo de Lisboa a inclusão de uma escapada até ao Porto nos programas oferecidos aos «shortbreakers« que visitam, a capital?

 

Por que não fazer uma campanha de turismo interno, visando convencer os lisboetas a virem passar um fim de semana ao Porto?

 

Jorge Fiel

 

www.lavandaria.blogs.sapo.pt

 

 

44 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D