Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Fazer de Novo o "NOVO PORTUGAL"

Nos últimos dois dias cerca de 120 homens e mulheres com menos de 45 anos, resolveram subir o Rio Douro e reflectir em conjunto sobre que novos desígnios Portugal deve acolher para melhorar decisivamente o seu desempenho, promovendo melhor e mais auspicioso futuro aos Seus vindouros.

Tal como o inefável Carlos Pinto Coelho recorrentemente afirmava no saudoso “Acontece”, “ eu estive lá” e fui testemunha privilegiada e comprometida desta realização promovida pela ANJE e pela Sedes.

O trabalho tinha sido iniciado algumas semanas antes. A metodologia era prometedora. Ao invés de se discutirem os tradicionais sistemas operativos do Estado, aqui a aposta foi a de escolher sete elementos referenciais que fariam emergir, depois de uma induzida reflexão, sete desígnios maiores para Portugal.

Foram organizados 7 grupos em torno dos seguintes referenciais:

Pessoas, Espaços, Recursos, Cultura, Conhecimento, Organização e Valores.

Não é possível resumir neste espaço os desígnios escolhidos, porque eles surgiram enquadrados num contexto próprio e fundamentados em pressupostos que carecem de boa digestão.

Como síntese do conjunto dos desígnios propostos, poderia ensaiar qualquer coisa como:

Apostar na qualificação integral das Pessoas e na regeneração, reabilitação e dimensão crítica dos Espaços, por forma a proporcionar uma eficiente utilização dos Recursos naturais e humanos capaz de propor uma Cultura nova, ancorada no Conhecimento, na criatividade e na tecnologia e servida por um modelo de Organização transparente e eficiente que promova permanentemente os Valores da responsabilidade, do mérito e da excelência…,

 

Síntese, que apesar da vantagem de ser descartável e se meter no bolso, tem o pecado mortal de ser injusta, redutora e desproporcionada ao genuíno e elevado esforço de “construir” a que, com agrado, presenciei.

Talvez mais importante do que as próprias conclusões, é esta ideia da vontade autêntica de participação de uma geração nova que não tem os preconceitos da guerra, da ditadura ou do condicionamento industrial, que conhece o mundo (40% dos presentes estudaram ou trabalharam fora do País), domina a tecnologia e gosta, felizmente muito, do Seu País.

Esta a principal esperança deste Grupo que promete continuar e comprometer-se, sempre com independência mas seguramente com a determinação de fazer render os Seus Talentos pelo futuro de Portugal e das novas gerações de Portugueses.

A última razão de esperança para este PPR escrito em Português e generosamente dedicado às gerações futuras é o facto de, como muitas outras coisas boas, ter nascido no Norte, numa inspiradora viagem por esse Douro austero e memorial e baptizado (apresentado à comunidade), um dia depois na cidade do Porto na moderna, criativa e também promissora Casa da Música.

Tudo razões para desejar longa e profícua vida ao “Novo Portugal” e ao seu genuíno propósito de ajudar a fazer, generosamente, o Portugal Novo!

 

António de Souza-Cardoso

 

 

 

 

15 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D