Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

Bússola

A Bússola nunca se engana, aponta sempre para o Norte.

O Foz Velha e a Lisboa pequena


(Uma das salas do Foz Velha)


Estive recentemente no Foz Velha no jantar do quinto aniversário - aqui vão os parabéns atrasados para o chefe Marco Gomes e a sua Carla. Já se sabe que se come divinalmente naquela casa e em dia de aniversário é... de cair para o lado com tantos sabores.

Acontece que na minha mesa ficaram, claro, outros ilustres comensais, como a Estela Machado, da RTP, que há-de ser a minha professora de golfe quando eu me dedicar a esse desporto.

Não divagando demasiado do que aqui me traz, prossigo. Na mesma simpática mesa estava também um simpático casal lisboeta, o dr. Cabanelas e a mulher, a viver no Porto há salvo erro 23 anos. Mas, dizia o dr. Cabanelas, "a minha mulher não gosta disto, nunca se adaptou". Seria do frio, seria da chuva, que vento não era certamente e atrevi-me a perguntar à simpática senhora. A resposta foi implacável:

"Aqui as pessoas é só casa-trabalho-casa!".

Pois claro, estamos na cidade do trabalho, assim reconhecida até por alguém da melhor sociedade lisboeta.

Mas há mais. Conta o dr. Cabanelas:

"Vim há 20 e tal anos por três meses para estagiar no prestigiado instituto do prof. Guimarães dos Santos e fui ficando. Mas no dia em que cheguei, era véspera de feriado e fiquei logo admirado porque estava toda a gente a trabalhar. E disse logo: além de médico também sou engenheiro. Engenheiro de pontes!". Não percebi à primeira, mas percebi logo à segunda: "Nunca trabalho nas pontes!".

E por isso, o nosso caro e simpático médico ficou por cá - sempre conseguiu fazer pontes...

E por aqui se vê como é difícil para alguns lisboetas adaptarem-se ao clima cá de cima. É que por cá trabalha-se!

Mas isto pega-se, asseguro-vos. O próprio dr. Cabanelas me explicou que a filha, que veio para cá pequenita e hoje é naturalmente grande e trabalhadora, já não tem esses problemas e adora o Porto.

A lição, óbvia: não é de nascença, mas é preciso catequizá-los de pequeninos. Aí ficam tão bons como nós.

Manuel Queiroz

 

47 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2012
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2011
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2010
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2009
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2008
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2007
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D